01:23 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2120
    Nos siga no

    Teerã enriqueceu urânio a uma taxa de até 4,5%, que é superior aos 3,67% fixados no acordo internacional, segundo novo relatório.

    O Irã acumulou uma reserva de urânio de baixo enriquecimento que é 12 vezes superior à permitida no acordo nuclear de 2015, segundo relatório da Organização Internacional de Energia Atômica (OEIA).

    De acordo com a agência da ONU, a quantidade total de urânio enriquecido de que Teerã dispõe é superior a 2,4 toneladas. Os dados foram reportados em um documento confidencial da OIEA, entregue aos países-membros e analisado pela agência de notícias AP.

    Esta quantidade é aproximadamente 12 vezes maior que o limite de 202,8 quilos estabelecido pelo Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), firmado em 2015, pelo Irã, Rússia, China, França, Alemanha, Reino Unido e União Europeia.

    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)
    © AFP 2020 / ATTA KENARE
    Reator atômico na usina nuclear de Bushehr, no sul do Irã (foto de arquivo)

    O relatório também indica que Teerã enriqueceu urânio a uma pureza de até 4,5%, que é superior aos 3,67% fixados no acordo.

    Anteriormente, Teerã anunciou um plano de diversas etapas para reduzir os compromissos assumidos no acordo nuclear, em resposta à retirada unilateral dos EUA, que deixaram o JCPOA em 2018.

    O urânio de baixo nível de enriquecimento é utilizado para produzir combustível para reatores nucleares civis, mas, potencialmente, pode servir para a produção de armas nucleares.

    Mais:

    Irã reforça defesa aérea em meio às tensões em Nagorno-Karabakh, diz mídia
    Navios dos Irã fornecem petróleo à Síria desafiando sanções dos EUA, revela Reuters
    Irã realiza exercícios militares perto da fronteira com Armênia e Azerbaijão
    Tags:
    usina nuclear, enriquecimento de urânio, urânio enriquecido, urânio, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar