08:22 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1375
    Nos siga no

    As palavras de Trump de que o Egito iria "explodir" uma represa contestada em um dos afluentes do Nilo na Etiópia suscitou grande polêmica na capital etíope, cujo governo chamou a declaração de "incitação à guerra".

    No sábado (24) Gedu Andargachew, ministro das Relações Exteriores da Etiópia, convocou o embaixador dos EUA Michael Raynor para prestar esclarecimentos um dia depois que Trump falou na Casa Branca sobre a construção de uma grande barragem hidroelétrica na Etiópia, a maior da África, projeto avaliado em US$ 4,6 bilhões (R$ 25,84 bilhões).

    Na sexta-feira (23) Trump disse na Sala Oval que projeto criou uma "situação muito perigosa" porque o Egito, país vizinho da Etiópia que depende do Nilo e de seus afluentes para a maior parte de sua irrigação e água potável, "não será capaz de viver assim".

    Construção de represa na Etiópia
    © AP Photo / Elias Asmare
    Construção de represa na Etiópia

    A situação foi comentada pelo presidente americano durante a cerimônia que marcou o acordo de paz entre Israel e o Sudão que, tal como Egito, está a jusante do Nilo.

    "Eles vão acabar explodindo a represa", disse Trump se referindo ao Egito. "Eu disse e vou dizer em alto e bom som – eles vão explodir a represa. Eles têm que fazer alguma coisa".

    Por sua vez, o premiê etíope Abiy Ahmed afirmou que o seu país não cederá a "ameaças beligerantes". Ele disse ainda que a Etiópia está empenhada em conversações, lideradas pela União Africana, sobre a resolução de disputas relativas à repartição das águas do Nilo e, segundo ele, têm ocorrido "progressos significativos" nesse diálogo.

    As autoridades egípcias acusam Trump de mostrar favoritismo em relação ao Egito e seu presidente, Abdel Fattah al-Sisi. "Lamento dizer, mas o homem não faz ideia do que está falando", disse no sábado o ex-primeiro ministro etíope Hailemariam Desalegn. "A Etiópia e os etíopes nunca serão ameaçados por uma declaração tão irresponsável".

    Conhecido como a Grande Barragem da Renascença Etíope, o projeto é anunciado por Adis Abeba como uma forma de tirar milhões de etíopes da pobreza.

    O projeto tem gerado preocupações no Egito de que a água, já de si limitada e da qual dependem 100 milhões de pessoas, se torne ainda mais escassa. O Nilo Azul, onde está sendo construída a represa, é um afluente do Nilo, rio que fornece 90% da água potável do Egito.

    Mais:

    Barragem se rompe na Bahia e deixa moradores da cidade ilhados
    Rompimento de barragem deixa ao menos 12 mortos e 15 desaparecidos na Sibéria
    'Alta urgência de ação': Exército dos EUA alarma sobre chances de desabamento de barragem
    Tags:
    Egito, Sudão, represa, Etiópia, Rio Nilo, Donald Trump, disputa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar