04:34 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1142
    Nos siga no

    A Turquia espera que a OTAN ofereça alternativas aos sistemas de defesa antiaérea S-400 da Rússia, ao invés de críticas em relação à compra do armamento, disse o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar, neste sábado (24).

    Akar confirmou na quinta-feira (22) que a Turquia realizou testes dos sistemas de defesa antiaérea S-400 na região turca de Sinop, observando que isso estava programado dentro do contrato.

    "Nossa expectativa em relação aos nossos amigos e aliados é de nos concentrarmos na discussão de soluções alternativas para o S-400 e medidas técnicas razoáveis ​​que possam ser tomadas, ao invés da retórica que leve à deterioração de nossas relações", disse o comunicado do ministro turco.
    Caminhão com partes do sistema de defesa antiaéreo russo S-400, em aeroporto próximo à Ancara (foto de arquivo)
    © AP Photo / Ministério da Defesa da Turquia
    Caminhão com partes do sistema de defesa antiaéreo russo S-400, em aeroporto próximo à Ancara (foto de arquivo)

    Anteriormente, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que Ancara estava pronta para comprar os sistemas Patriot, dos Estados Unidos, sob a condição de transferência de tecnologia para Ancara, acrescentando que a possibilidade de abandonar os sistemas S-400 estava fora de questão.

    O Pentágono mantém uma postura crítica sobre a compra dos sistemas russos por Ancara e recentemente condenou os testes realizados pela Turquia, ameaçando o país com "consequências graves" caso os sistemas fossem ativados.

    Mais:

    VÍDEO mostra suposto reposicionamento de sistemas S-400 no norte da Turquia
    Senadores dos EUA querem sanções contra Turquia após relatos de esta acionar S-400 contra caças F-16
    Turquia lança míssil de sistema russo S-400 a partir de costa do mar Negro, segundo Reuters (VÍDEO)
    Tags:
    Patriot, Rússia, OTAN, S-400, Hulusi Akar, Recep Tayyip Erdogan, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar