16:40 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3242
    Nos siga no

    O assassinato é uma ferramenta política típica dos Estados Unidos, o que torna a recente revelação de que o presidente dos EUA, Donald Trump, tinha a intenção anterior de eliminar o presidente sírio, algo esperado no contexto dos interesses de Washington, disse Bashar Assad à Sputnik.

    Em meados de setembro, Trump reconheceu que pretendia, no início de seu governo, eliminar fisicamente Assad e que o então chefe do Pentágono, Jim Mattis, o persuadiu a não fazê-lo. Em 2018, um livro do jornalista Bob Woodward já havia revelado os planos de Trump que, à época, negou a veracidade das informações.

    "O assassinato é um modus operandi norte-americano. Isso é o que eles fazem o tempo todo - por décadas, em todos os lugares, em diferentes áreas deste mundo. Isso não é algo novo", disse Assad.

    Segundo o presidente sírio, a existência de planos de assassinato tramados pelos EUA é "evidente" e "sempre existiu, por diferentes razões".

    "Temos que esperar isso em nossa situação na Síria. Com este conflito, com os norte-americanos - eles ocupam nossas terras e apoiam os terroristas - é o que se espera. Mesmo se você não tiver nenhuma informação, deve ser algo esperado", acrescentou Assad.
    Presidente Donald Trump, à esquerda, com Jim Mattis, o secretário de Defesa, e Wilbur Ross, o secretário de Comércio, durante uma reunião do gabinete na Casa Branca em Washington, EUA, 6 de dezembro de 2017
    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Donald Trump e Jim Mattis em 2017

    Falando sobre prevenção, o presidente sírio disse que isso não deveria ser aplicado a todos os episódios de ameaças, mas sim à especificidade comportamental geral dos EUA.

    "Nada deterá os Estados Unidos de cometer esses tipos de ações ou atos perversos, a menos que haja um equilíbrio internacional onde os Estados Unidos não possam escapar impunes de seus crimes. Caso contrário, [os EUA] continuarão com esse tipo de ato em diferentes áreas e nada poderá impedi-los", disse Assad.

    Questionado se sabia de alguma outra tentativa de assassinato durante sua presidência, o líder sírio disse que não ouviu falar de nenhuma, mas que acredita que "é evidente que há muitas tentativas, ou talvez planos, para ser mais preciso".

    Mais:

    Trump diz que não discutiu assassinato de Assad
    Trump queria Assad morto, diz livro de Bob Woodward, jornalista do Watergate
    Novas sanções dos EUA à Síria enquadram presidente do país Bashar Assad, diz Pompeo
    Assad: novas sanções contra Síria são estratégia americana de assédio para estrangular povo sírio
    Erdogan instigou retomada do conflito de Nagorno-Karabakh, acusa Assad (VÍDEOS)
    Tags:
    Washington, Estados Unidos, Síria, Bashar Assad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar