22:40 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2302
    Nos siga no

    Segundo o chanceler da Síria, Walid Muallem, a Turquia está ocupando ilegalmente, em conjunto com EUA e Israel, o território sírio, e fomentando organizações terroristas.

    Durante discurso da 75ª Assembleia Geral da ONU, realizada virtualmente devido à pandemia da COVID-19, Walid Muallem, ministro das Relações Exteriores da Síria, acusou Ancara de ocupar territórios sírios e criar terreno fértil para os terroristas.

    O diplomata de Damasco também afirmou que a Turquia é "uma das maiores patrocinadoras de terror na Síria e na região" por ter facilitado a "entrada de dezenas de milhares de terroristas estrangeiros na Síria e ainda oferece todas as formas de apoio à Frente al-Nusra [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países] e a outras organizações terroristas".

    A Turquia também está cometendo "um crime de guerra e um crime contra a humanidade" restringindo o acesso civil à água em várias cidades controladas por forças turcas, acrescentou Muallem.

    Além de Ancara, o chanceler sírio denunciou igualmente a "presença ilegítima" dos EUA e de Israel nas Colinas de Golã, prometendo que a Síria "não pouparia nenhum esforço" para "restaurar" sua soberania sobre os territórios.

    O próprio presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse em seu discurso que o conflito na Síria continua ameaçando a segurança e a estabilidade regionais. Ele argumentou que a Turquia abriga quatro milhões de refugiados sírios deslocados pela guerra, e que o país desempenha um papel decisivo na luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), e que ele queria ver uma "solução permanente" para a situação na Síria.

    A Turquia tem sido um dos principais protagonistas da Guerra na Síria, que dura desde 2011, e tem lançado incursões militares ao país sob o pretexto de atacar grupos de milícias curdas, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo) e as Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo), que Ancara considera organizações terroristas.

    Mais:

    Turquia relata ataque a posto de observação turco na Síria (FOTOS, VÍDEO)
    Oposição síria insta grandes potências a iniciarem cessar-fogo em todo o país
    Erdogan diz que Turquia não reconhece eleições parlamentares da Síria
    Tags:
    Unidades Populares de Proteção do Curdistão (YPG), YPG, Unidades de Proteção Popular (YPG), Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Partido dos Trabalhadores do Curdistão, Guerra Civil Síria, Recep Tayyip Erdogan, Frente al-Nusra, Colinas de Golã, Israel, EUA, Walid Muallem, ONU, Assembleia Geral da ONU, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar