15:04 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Autoridades afirmam que toxinas produzidas por uma bactéria presente na água são responsáveis pela morte de mais de 300 animais.

    Em uma coletiva de imprensa, o veterinário principal do Departamento de Vida Silvestre e Parques Nacionais de Botsuana, Mmadi Reuben, declarou:

    "Nossos últimos testes detectaram que as neurotoxinas de cianobactérias são a causa destas mortes. São bactérias que se encontraram na água."

    O especialista reconheceu ao mesmo tempo que "ainda existem muitas perguntas para responder, particularmente por que somente [morreram] os elefantes e por que somente nessa área". "Temos uma série de hipóteses que estamos pesquisando", agregou.

    Por sua parte, o diretor adjunto do departamento, Cyril Taolo, elevou de 281 a 330 a cifra de elefantes mortos em Botsuana neste ano.

    Em maio passado chegaram as primeiras notícias sobre centenas de elefantes falecidos em uma zona remota a nordeste do delta do Okavango, no país africano, que abriga uma população estimada em torno de 130 mil elefantes, segundo a revista National Geographic.

    Elefante (imagem referencial)
    Elefante (imagem referencial)

    A caça furtiva de marfim não explicava essas mortes misteriosas, pois todos os cadáveres tinham as presas intactas. Também foram descartadas outras hipóteses como o antraz e o envenenamento por humanos.

    Cianobactérias são microrganismos comuns na água e algumas vezes encontrados no solo. Nem todas produzem toxinas, mas cientistas dizem que as tóxicas estão se tornando mais frequentes devidos às mudanças climáticas.

    Mais:

    Bactérias são capazes de viajar entre planetas, segundo experimento realizado na EEI
    Indianos se salvam por um triz da perseguição de enorme elefante enfurecido (VÍDEO)
    Cientistas revelam 'arma secreta' das bactérias para infectar organismo humano
    Tags:
    bactérias, Botsuana, vida selvagem, África, elefantes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar