23:40 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    31036
    Nos siga no

    Novas imagens, divulgadas pela ImageSat International, revelam evidência de um ataque aéreo contra uma base secreta de mísseis na Síria.

    As fotos mostram duas estruturas na fábrica de mísseis de Al-Safirah, nas proximidades de Aleppo, que foram atingidas no ataque realizado para conter a produção de mísseis na Síria.

    ​ISI [ImageSat International] revela evidência de um ataque (no dia 11 de setembro de 2020) contra duas estruturas na fábrica de mísseis de Al-Safirah, Aleppo, Síria. Avaliação: o ataque pretendia enfraquecer a produção de mísseis na Síria, provavelmente para o Hezbollah, danificando seus elementos principais.

    De acordo com o provedor de imagens, uma das bases, que provavelmente continha explosivos, foi totalmente destruída, enquanto a segunda, com máquinas, ficou danificada, cita The Jerusalem Post.

    O ataque aéreo teria enviado "uma mensagem estratégica ao Irã", já que em junho uma base de mísseis no Irã teria sido atingida, afetando temporariamente a produção de mísseis.

    ​De acordo com a ISI, estas estruturas representavam uma parte significante da produção de mísseis na fábrica de Al-Safirah. A estrutura que provavelmente continha explosivos foi destruída. A segunda estrutura, que continha máquinas e equipamentos, ficou danificada.

    O Irã é acusado de enviar mísseis ao Iraque e munições guiadas de precisão ao Hezbollah através da Síria.

    A ImageSat International (ISI) frequentemente revela imagens de satélite importantes de áreas atingidas por ataques aéreos nos últimos anos.

    Mais:

    Drones dos EUA são flagrados caindo em chamas no noroeste da Síria (FOTOS, VÍDEO)
    Com ajuda da Rússia, Síria conduz operação de grande escala para eliminar radicais
    Explosão de gasoduto nas proximidades de Damasco causa apagão de energia em toda a Síria
    Tags:
    depósitos, explosivos, mísseis, Israel, ataque aéreo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar