06:05 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5123
    Nos siga no

    A decisão da Sérvia de transferir sua embaixada em Israel de Tel Aviv para Jerusalém viola o direito internacional e é profundamente preocupante, disse o Ministério das Relações Exteriores da Turquia no sábado (5).

    Na sexta-feira (4), o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que a Sérvia mudaria sua embaixada para Jerusalém em julho de 2021, tornando-se o primeiro país europeu a fazê-lo. A decisão foi mediada pelos Estados Unidos, que foi o primeiro país a transferir sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, em 2018.

    "Estamos profundamente preocupados com a decisão da Sérvia de transferir sua embaixada em Israel para Jerusalém. A anexação de Jerusalém por Israel foi rejeitada pela comunidade internacional e pela Organização das Nações Unidas [ONU]", disse a chancelaria turca, acrescentando que "a realocação por qualquer país de sua embaixada em Israel para Jerusalém é uma violação clara do direito internacional".

    A declaração citou várias resoluções da ONU afirmando que o conflito israelense-palestino não tem outra solução a não ser o reconhecimento do Estado palestino independente com sua capital em Jerusalém Oriental, de acordo com as fronteiras de 1967.

    Em Washington, o presidente da Sérvia, Aleksandr Vucic, escuta o presidente dos EUA, Donald Trump, durante cerimônia com o premiê do Kosovo, Avdullah Hoti, em 4 de setembro de 2020.
    © REUTERS / Leah Millis
    Em Washington, o presidente da Sérvia, Aleksandr Vucic, escuta o presidente dos EUA, Donald Trump, durante cerimônia com o premiê do Kosovo, Avdullah Hoti, em 4 de setembro de 2020.

    Jerusalém, que foi ocupada por Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967, é atualmente um item não negociável para os palestinos, assim como os territórios ocupados na Cisjordânia e no Vale do Rio Jordão, onde Israel está construindo assentamentos. O governo israelense, por sua vez, se recusa a reconhecer a Palestina como Estado soberano e considera legítima a expansão de seus assentamentos, apesar das objeções da ONU.

    Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anuncia acordo com os Emirados Árabes Unidos, em Jerusalém, 13 de agosto de 2020
    © REUTERS / Abir Sultan
    Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anuncia acordo com os Emirados Árabes Unidos, em Jerusalém, 13 de agosto de 2020

    Em dezembro de 2017, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que Washington mudaria sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, o que significou o reconhecimento formal, pelos EUA, de Jerusalém como a capital de Israel. A nova embaixada foi inaugurada seis meses depois.

    Até agora, apenas a Guatemala seguiu o exemplo dos EUA, tendo aberto uma embaixada em Jerusalém dois dias depois dos norte-americanos, em 16 de maio de 2018.

    Mais:

    UE e 15 países condenam planos de Israel de construir residências na região de Jerusalém
    Protestos contra Netanyahu continuam e reúnem milhares em Jerusalém
    Sérvia quer transferir sua embaixada para Jerusalém em 2021, afirma serviço de imprensa de Israel
    Tags:
    Israel, Sérvia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar