06:39 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6255
    Nos siga no

    Embora Israel e Emirados Árabes Unidos tenham fechado acordo de normalização das relações diplomáticas, país árabe teria se recusado a comparecer a encontro oficial com autoridades de Israel e EUA.

    A razão do cancelamento teria como fundo a preocupação do premiê israelense, Benjamin Netanyahu, de seu país perder vantagem tecnológico-militar na região se os EUA venderem ao país árabe caças F-35.

    Desta forma, Netanyahu teria ido contra a venda do equipamento militar aos Emirados Árabes Unidos, provocando insatisfação em Abu Dhabi, publicou o site de notícias israelense Walla.

    Enquanto isso, os EUA têm negociado a venda de equipamentos de defesa para os EAU, processo iniciado antes das conversações sobre a normalização das relações entre dois os países do Oriente Médio.

    "Nós temos mais de 20 anos de relação em segurança com os Emirados Árabes Unidos. Nós lhes provemos assistência técnica e militar e continuaremos agora revendo tal processo", publicou o jornal The Times of Israel, citando recente fala do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, a jornalistas em Jerusalém.

    Recentemente, em visita a Israel, Pompeo assegurou o apoio dos EUA a Israel garantindo a este fornecimento de tecnologia militar para manutenção de suas vantagens em defesa no Oriente Médio.

    Atualmente, os Emirados Árabes Unidos são o terceiro país árabe a possuir relações diplomáticas oficiais com Israel.

    Contudo, o atual desentendimento entre ambas as partes poderia ser a primeira prova para o início da normalização das relações.

    Mais:

    Israel barra entrada da maioria das mercadorias na Faixa de Gaza, diz Palestina
    Israel suspende operações de transporte de helicópteros Black Hawk após estranhos problemas técnicos
    Trump diz esperar que Arábia Saudita entre no acordo de paz entre Israel e Emirados Árabes
    Tags:
    diplomacia, EUA, Israel, F-35, Emirados Árabes Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar