05:20 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4331
    Nos siga no

    A base militar de Tiji é a oitava que a coalizão deixa em 2020, depois que o parlamento iraquiano ordenou a expulsão de todas as forças militares estrangeiras do país.

    Com a cerimônia de entrega assinada no domingo (23), as forças dos EUA no Iraque entregaram formalmente a área ocupada pela coalizão da Base de Taji, no centro do Iraque, de volta às forças de segurança iraquianas, indica um comunicado da Força-Tarefa Conjunta Combinada – Operação Resolução Inerente [CJTF-OIR, na sigla em inglês].

    Descrevendo a retirada como um movimento que permite à coalizão, que luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) "mudar seu foco e seu papel", a CJTF-OIR disse que "o movimento de [...] pessoal militar é parte de um plano de longo alcance coordenado com o governo do Iraque".

    "Este é realmente um dia histórico", disse o comandante adjunto da organização.

    "Nos últimos seis anos, a Base de Taji tem servido de instalação principal para os parceiros da coalizão treinarem o Exército Iraquiano, a Força Aérea do Iraque e as Forças Especiais do país. Os esforços da coalizão permitiram que os iraquianos passassem eles próprios a efetuar o treinamento".

    Segundo explicou, as forças de segurança Iraquianas assumiriam a completa responsabilidade pelo local, para o usar na luta contra o Daesh.

    A retirada inclui a saída de 300 soldados e pessoal contratado dos EUA, e a entrega de estruturas e equipamentos ao lado iraquiano, avaliados em US$ 347 milhões (R$ 1,95 bilhão), incluindo mais de 90 milhões em munições.

    Nesta semana, militantes das Unidades de Mobilização Popular (PMC, na sigla em inglês) do Iraque ameaçaram atacar as posições dos EUA em todo o país caso Bagdá não conseguisse negociar a retirada das forças estrangeiras.

    General Kenneth P. Ekman, vice-comandante da Força-Tarefa Conjunta Combinada – Operação Resolução Inerente [CJTF-OIR, na sigla em inglês] dos EUA, aplaude ao lado do general-de-brigada Salah Abdullah durante a cerimônia de entrega da base militar de Taji às forças de segurança iraquianas, ao norte de Bagdá, Iraque, 23 de agosto de 2020
    © REUTERS / Thaier Al-Sudani
    Negociação da retirada das tropas dos EUA de Iraque

    "Se não for concluído em Washington um acordo sobre a expulsão das forças dos EUA do Iraque, reservamo-nos o direito de atingir os interesses americanos no Iraque", advertiram.

    Saída gradual

    Cerca de 47.000 militares das forças de segurança iraquianas foram treinados na base de Taji, com as instalações situadas a cerca de 30 quilômetros de Bagdá. A base chegou a acolher cerca de 2.000 militares da CJTF-OIR. Esta é a oitava base da coalizão a ser devolvida ao Iraque nos últimos meses.

    É estimado que 5.200 tropas dos EUA permanecem no Iraque. Os EUA invadiram o Iraque em 2003 e partiram em 2011, antes de voltar em 2014 para ajudar Bagdá a combater o Daesh.

    Na quinta-feira (20), em uma reunião com o premiê iraquiano, Donald Trump, o presidente dos EUA, reiterou aos jornalistas que os norte-americanos iriam deixar o Iraque "em breve".

    "Temos tirado nossas tropas do Iraque com bastante rapidez e esperamos ansiosamente o dia em que não precisaremos de estar lá", disse Trump, sem apresentar um calendário exato da retirada.

    As tensões entre as forças da Coalizão e as Unidades de Mobilização Popular aumentaram drasticamente após o assassinato do general Soleimani, responsável pela coordenação da assistência iraniana às milícias na sua luta contra os terroristas. Logo após a morte do comandante iraniano, o parlamento iraquiano ordenou que as forças norte-americanas se retirassem do país.

    Mais:

    EUA anunciam doação de US$ 204 milhões em ajuda humanitária ao Iraque
    Foguetes atingem a Base Aérea de Balad, no Iraque
    Líderes de Irã e Iraque se encontram e indicam união de forças contra EUA na região
    Comboio militar dos EUA é incendiado no sul do Iraque (VÍDEOS)
    Tags:
    Donald Trump, Qassem Soleimani, Bagdá, CJTF-OIR, Iraque, EUA, Daesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar