15:47 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13392
    Nos siga no

    Em um discurso ao Conselho de Segurança da ONU, o secretário de Estado norte-americano criticou a postura de França, Reino Unido e Alemanha, ao mesmo tempo que elogiou o Conselho de Cooperação do Golfo.

    O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo criticou na quinta-feira (20) os aliados europeus de Washington em uma coletiva de imprensa do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU), alegando que, embora autoridades da Alemanha, da França e do Reino Unido tenham expressado em privado apoio à prorrogação do embargo de armas ao Irã, elas "escolheram publicamente ficar do lado dos aiatolás".

    "Nunca permitiremos que a República Islâmica do Irã tenha uma arma nuclear", observou Pompeo durante seu discurso no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Depois de repreender os três países europeus, Pompeo aplaudiu as nações do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), Bahrein, Kuwait, Omã, Qatar, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, declarando que "merecem elogios por mostrarem coragem e unidade advertindo sobre o perigo do Irã".

    Em seguida, o secretário de Estado dos EUA referenciou declaração do CCG à ONU em 9 de agosto, que pedia uma prorrogação do embargo internacional de armas, que expira em 18 de outubro.

    "É inadequado levantar as restrições ao fornecimento de armas de e para o Irã até que o Irã desista de suas atividades desestabilizadoras na região e deixe de fornecer armas a organizações terroristas e sectárias", afirmou Nayef Falah Mubarak Al-Hajraf, secretário-geral do CCG, conforme relatado pela Reuters em 9 de agosto.

    Posição dos principais países europeus

    Desde então, a França, o Reino Unido e a Alemanha emitiram uma declaração conjunta explicando que, como membros ainda ativos do acordo do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), não podem apoiar a pressão dos EUA para invocar o mecanismo de "restauração imediata" (procedimento para exigir o restabelecimento das sanções internacionais contra o Irã), porque viola o acordo.

    "A França, a Alemanha e o Reino Unido notam que os EUA deixaram de ser participantes do JCPOA após sua retirada do acordo em 8 de maio de 2018", escreveram os países europeus.

    "Continuamos comprometidos com o JCPOA, apesar dos desafios significativos causados pela retirada dos EUA. Acreditamos que devemos abordar a questão atual do não cumprimento sistemático por parte do Irã de suas obrigações no âmbito do JCPOA através do diálogo entre os participantes do JCPOA".

    Reações à decisão dos EUA

    O ministro das Relações Exteriores iraniano Mohammad Javad Zarif chamou a tentativa dos EUA de estender o embargo de armas como "ilegítima e dolosa".

    Rússia e China expressaram apoio ao Irã, com o vice-ministro das Relações Exteriores russo Sergei Ryabkov chamando de "absurdo" Washington pressionar por sanções.

    "Temos repetidamente dito que os EUA já se retiraram do JCPOA e, portanto, não têm o direito de solicitar a restauração do regime de sanções da ONU contra o Irã", observou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Zhao Lijian durante uma reunião de informação.

    Mais:

    Tentativa dos EUA de impor sanções contra o Irã é 'inadmissível', diz Teerã
    China garante: EUA não têm o direito de reimpor sanções da ONU ao Irã
    Pompeo amplia sanções contra Irã visando seus programas nuclear e de mísseis
    Tags:
    Mohammad Javad Zarif, Reuters, China, Rússia, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Omã, Kuwait, Bahrein, Conselho de Cooperação do Golfo, Alemanha, Reino Unido, França, Mike Pompeo, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar