08:27 21 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2173
    Nos siga no

    União Europeia e 15 países do bloco de forma individual expressaram ao Ministério das Relações Exteriores de Israel sua oposição à construção de residências em Givat Hamatos, que consideram "ilegal".

    De acordo com estes países, os planos de Israel geram "graves preocupações" e terão um "impacto devastador", uma vez que podem afetar a continuidade territorial de um Estado palestino.

    Em especial, a área E1 no assentamento de Givat Hamatos foi considerada "sensível" pelos países, publicou o The Times of Israel.

    "Os assentamentos são ilegais à luz do Direito Humanitário Internacional. Qualquer futura construção de assentamentos nesta área estrategicamente sensível terá um impacto devastador em um Estado palestino contínuo, além de prejudicar severamente a possibilidade de uma solução negociada de dois Estados, em linha com os parâmetros acordados internacionalmente", indica a nota de protesto.

    Entre os países que condenaram os planos israelenses figuram França, Alemanha, Itália, Espanha, Reino Unido, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Irlanda, Países Baixos, Noruega, Polônia, Portugal, Eslovênia e Suécia, além do próprio bloco da União Europeia.

    É válido ressaltar que, ainda em abril passado, a UE havia alertado o Estado de Israel sobre o risco de deterioração das relações entre o bloco e o país devido aos planos do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu de expandir a soberania de seu país sobre vários territórios da Cisjordânia.

    Mais:

    Alemanha burla regras da UE para vender armas e alimentar conflitos armados, diz estudo
    Estudo: 20% da soja brasileira exportada para UE pode ter origem no desmatamento na era Bolsonaro
    Hezbollah promete responder ao ataque aéreo de Israel em Damasco
    Tags:
    união europeia, Jerusalém, assentamento, israel, Estado Palestino, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar