06:14 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    31120
    Nos siga no

    O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu alertou os combatentes do Hezbollah para não testar suas Forças Armadas, e o ministro da Defesa Benny Gantz prometeu uma resposta poderosa após um ataque de bombardeios na fronteira entre Israel e Líbano.

    As forças israelenses abriram fogo na área de Shebaa Farms, disputada ao longo da fronteira libanesa, nesta segunda-feira (27), respondendo ao que eles disseram ser uma tentativa de infiltração de uma "célula terrorista". Tropas das Forças de Defesa de Israel (IDF) dizem que explodiram os infiltrados com metralhadoras e tanques e conseguiram impedir a incursão.

    Embora testemunhas do Líbano tenham confirmado a história israelense, as autoridades do grupo xiita libanês Hezbollah negaram uma tentativa de infiltração, afirmando em um comunicado que as forças israelenses haviam tomado uma "ação nervosa" e disparado elas próprias contra Shebaa Farms.

    Em um discurso televisionado de Tel Aviv na noite desta segunda-feira (27), Netanyahu insistiu que o Hezbollah estava mentindo e a tentativa de infiltração foi genuína. O premiê alertou o grupo militar xiita de que está "brincando com fogo" e afirmou que "o Hezbollah e o Líbano assumem total responsabilidade por esse incidente e por qualquer ataque do território libanês contra Israel".

    Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, durante reunião de gabinete, em Jerusalém, 24 de maio de 2020
    © AP Photo / Abir Sultan
    Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, durante reunião de gabinete, em Jerusalém, 24 de maio de 2020

    Aparecendo ao lado do primeiro-ministro, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, ameaçou que qualquer operação contra o país atrairia uma resposta militar "poderosa".

    Se os militantes libaneses realmente cruzaram a fronteira ou não nesta segunda-feira (27), Israel se prepara para um confronto há vários dias. Reforços foram lançados na fronteira na semana passada, depois que aviões israelenses mataram um combatente do Hezbollah em Damasco, na Síria, um ato que os militantes prometeram vingar.

    Embora o Hezbollah tenha negado a passagem da fronteira nesta segunda-feira (27), um porta-voz da milícia disse que a retaliação pelo ataque aéreo ainda "definitivamente virá".

    Israel e Hezbollah travaram uma guerra aberta ao longo da fronteira em 2006, com um conflito de um mês matando mais de 1.100 libaneses e 165 israelenses. Desde então, houve trocas esporádicas de fogo, mais recentemente em setembro de 2019, quando o grupo militante xiita lançou uma saraivada de foguetes em uma base militar israelense. Israel respondeu com uma barragem de artilharia, e nenhuma vítima de ambos os lados foi confirmada.

    Mais:

    Netanyahu pede sanções globais 'paralisantes' ao Irã por 'violações' de tratado nuclear
    Pentágono confirma bombardeios a instalações do Kataib Hezbollah
    EUA oferecem recompensa de US$ 10 milhões por informações sobre comandante do Hezbollah
    Tags:
    violência, terrorismo, segurança, defesa, ataque, fronteira, Benny Gantz, Benjamin Netanyahu, Síria, Líbano, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar