20:10 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5251
    Nos siga no

    Dois caças norte-americanos se aproximaram recentemente a uma distância perigosa de um avião comercial iraniano, manobra que deixou alguns passageiros feridos.

    O embaixador iraniano em Beirute, Mohammad Jalal Firouznia, assegura que o seu país tomará todas as medidas legais para condenar a "pirataria aérea dos EUA", depois que dois caças norte-americanos se aproximaram nesta quinta-feira (23) a uma distância perigosa de um avião comercial iraniano, obrigando o piloto a mudar rapidamente a altitude, manobra que deixou alguns passageiros feridos.

    O diplomata iraniano, citado pela agência de notícias Fars, comentou o assunto durante visita ao hospital Rasoul A'zam, no sul de Beirute, onde um dos passageiros feridos se encontra.

    "Esta medida é um exemplo óbvio do estilo terrorista e criminoso que os EUA praticam na região [do Oriente Médio]", afirmou o embaixador iraniano, acrescentando que Teerã tomará todas as medidas legais para condenar a "pirataria aérea" norte-americana e que "seguirá adiante com esta questão na ONU, na Organização de Aviação Civil Internacional e nos tribunais pertinentes".

    O incidente com o avião comercial Airbus A310 da companhia aérea iraniana Mahan Airlines ocorreu na quinta-feira (25) no espaço aéreo da Síria, durante um voo entre Teerã e Beirute.

    O Irã assegura que os caças norte-americanos se aproximaram a uma distância inferior a 100 metros, enquanto um porta-voz norte-americano assegura que se tratou de "uma inspeção visual padrão" realizada "a uma distância segura de aproximadamente mil metros".

    Mais:

    Força Aérea do Irã ganha 3 avançados caças em meio a sanções dos EUA (FOTOS, VÍDEO)
    EUA não pretendem estender embargo de armas contra Irã por curto período de tempo, diz Pompeo
    Irã acusa EUA de violarem direito internacional ao reimporem sanções
    Tags:
    pirataria, avião de passageiros, avião militar, avião, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar