17:35 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2400
    Nos siga no

    Uma jovem afegã matou dois combatentes do Talibã (movimento terrorista proibido na Rússia e em outros países) com um fuzil de assalto e feriu vários outros militantes depois que mataram seus pais, disse o chefe da polícia local em entrevista à AFP.

    O incidente ocorreu em uma vila na província de Ghor, no Afeganistão. Os terroristas do Talibã invadiram a casa da jovem Qamar Gul, de 14 anos, em busca de seu pai por seu apoio ao governo oficial do país.

    Os militantes levaram o pai da família para fora de casa e o mataram. Já a mãe da menina, que estava tentando proteger o marido, também foi morta.

    "Qamar Gul, que estava na casa, pegou um fuzil AK-47 que pertencia à sua família e matou primeiro os dois combatentes do Talibã que mataram seus pais e depois feriu vários outros militantes", disse o chefe de polícia local, Habiburahman Malekzada.

    Um porta-voz do governador da província disse que agora os militares afegãos levaram Gul e seu irmão mais novo para um "lugar mais seguro".

    No Afeganistão, há um confronto entre as forças do governo e os militantes do movimento radical Talibã, que anteriormente havia tomado posse de um território significativo nas áreas rurais do país e lançado uma ofensiva nas grandes cidades.

    Militante do Talibã segurando arma na província de Ghazni, no Afeganistão (foto de arquivo)
    © REUTERS / Stringer
    Militante do Talibã (organização terrorista proibída na Rússia e em vários outros países) segurando arma na província de Ghazni, no Afeganistão (foto de arquivo)

    As Forças de Defesa e Segurança Nacional do Afeganistão estão conduzindo operações conjuntas de combate ao terrorismo em todo o país.

    Mais:

    Ataque terrorista do Talibã mata 8 soldados no Afeganistão
    Talibã faz 53 civis reféns no centro do Afeganistão
    Ataque do Talibã deixa 11 mortos no Afeganistão
    Tags:
    terroristas, militantes, metralhadora, Talibã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar