04:12 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    111
    Nos siga no

    Os casos de ebola na República Democrática do Congo aumentaram para 60, tendo funerais como foco de preocupação especial para a propagação da doença, disse a Organização Mundial de Saúde (OMS) na segunda-feira (20).

    Mike Ryan, diretor e especialista em emergências da entidade internacional, informou sobre a detecção de três casos novos no fim de semana, fazendo aumentar o total de infectados confirmados para 56 e quatro casos não confirmados no surto da doença anunciado na província de Équateur, na parte ocidental do país africano.

    "A doença está ativa e descontrolada", advertiu Ryan durante um briefing virtual da sede da agência da ONU em Genebra, focando sua preocupação especial nos funerais das vítimas.

    Província Équateur inclui parte do rio Congo, uma vasta área geográfica onde as comunidades estão ligadas e as pessoas viajam longas distâncias.

    Agente de saúde aplica vacina experimental contra o ebola na Libéria
    © REUTERS / JP/KR
    Agente de saúde aplica vacina experimental contra o ebola na Libéria

    O surto está se espalhando da cidade de Mbandaka para vilas remotas localizadas na floresta ao longo do rio Congo, algumas das quais só podem ser acessadas de canoa ou por veículos todo-terreno, avança Al-Jazeera.

    A República Democrática do Congo declarou como terminado no mês passado um surto separado de ebola nas províncias de Ituri e Kivu do Norte. Essa epidemia, a segunda maior registrada no país, teve 3.463 casos confirmados e prováveis e 2.277 mortes em dois anos.

    Mais:

    'Bunny ebola': vírus mortal dos coelhos se espalha rapidamente nos EUA
    Um mal nunca vem só: COVID-19 torna pacientes mais vulneráveis a outras doenças, avisa acadêmica
    Doença nova pode estar por trás de centenas de mortes de elefantes em Botsuana
    Tags:
    República Democrática do Congo, OMS, África, surto, epidemia, doenças graves, ebola
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar