04:10 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 143
    Nos siga no

    Autoridades de Botsuana alertaram que um novo patógeno pode ser o culpado pela morte de centenas de elefantes no país com a maior população mundial desses animais.

    Depois que centenas de carcaças de elefante foram encontradas na região noroeste do país, amostras foram coletadas para análise em laboratórios no Zimbábue e na África do Sul para investigar a causa.

    Os resultados de amostras colhidas de carcaças no noroeste de Botsuana voltaram dos laboratórios para os quais elas foram enviadas no Zimbábue e serão comparados com os resultados provenientes dos laboratórios sul-africanos.

    O secretário permanente em exercício do Ministério do Meio Ambiente de Botsuana, citado pela agência de notícias Bloomberg, informou em entrevista que os resultados dos testes serão anunciados na próxima semana.

    Até agora, 281 carcaças de elefantes foram encontradas, segundo o governo local, embora uma organização sem fins lucrativos tenha dito que encontrou até 356.

    Elefantes estão sendo encontrados mortos por causas inexplicáveis, no delta do Okavango, Botsuana, de maio a junho de 2020
    © REUTERS / Handout
    Elefantes estão sendo encontrados mortos por causas inexplicáveis, no delta do Okavango, Botsuana, de maio a junho de 2020

    Os primeiros testes em Botsuana descartaram doenças conhecidas que causariam mortes em massa entre os animais, sinalizando potencialmente que "novas doenças" são responsáveis, afirmou o governo de Botsuana em comunicado, segundo a televisão estatal.

    Botsuana contém a maior população de elefantes do mundo, com cerca de 135.000 animais, observou a Bloomberg.

    Mais:

    Elefantes caem bêbados após tomarem vinho de milho em fazenda na China (FOTOS)
    Elefante furioso persegue e ataca agricultor idoso na Índia (VÍDEO)
    Descoberta no Paquistão a maior oficina de marfim do Mundo Antigo (FOTOS)
    Tags:
    mortes, animais, doença, Botsuana, elefantes, Bloomberg
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar