00:16 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5683
    Nos siga no

    Três submarinos da classe Kilo, ou Projeto 877 Paltus, na designação soviética, são os navios de guerra mais potentes na Marinha iraniana.

    De acordo com um vídeo que apareceu nas redes sociais, um destes submarinos é mostrado sendo transportado em plena estrada puxado por caminhões.

    Nas imagens, um tanto surreais, se pode ver o submarino do Projeto 877 sendo transportado em uma prancha rebaixada especial, alegadamente regressando de um estaleiro à base naval iraniana em Bandar Abbas. O submarino é um dos três adquiridos da União Soviética na década de 1990, escreve Popular Mechanics.

    Os submarinos da classe Kilo foram projetados para operar mais perto da costa que os oceânicos convencionais. As embarcações pertencem à Marinha da República Islâmica do Irã e operam na entrada do golfo Pérsico, no golfo de Omã e até mesmo no oceano Índico.

    ​Transporte de um antigo submarino da Marinha iraniana do Projeto 877, classe Kilo, à base naval em Bandar Abbas.

    A frota de submarinos iraniana foi concebida para atribuir ao país a capacidade de atacar navios inimigos, incluindo alvos tão grandes como os porta-aviões dos EUA.

    Navios do Projeto 877 Paltus são uma série de submarinos diesel-elétricos construídos no período entre os anos 1982-2000. Têm um deslocamento de 2,32 mil toneladas, cerca de 72,5 metros de comprimento, 9,7 metros de altura e 6 metros de boca.

    Cada um é equipado com seis tubos capazes de disparar uma variedade de torpedos. Além disso, os submarinos desta classe são capazes de colocar minas marítimas.

    Mais:

    Marinha russa deve receber novo submarino nuclear em dezembro de 2020
    Satélite tira FOTO de submarino russo que ganha atenção de especialista dos EUA, revela Forbes
    Submarinos russos no Atlântico ameaçam EUA e OTAN, escreve The Wall Street Journal
    Tags:
    Oriente Médio, União Soviética, Irã, Golfo Pérsico, Marinha do Irã, submarino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar