18:39 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 65
    Nos siga no

    Uma companhia aérea "fantasma" cobriu voos secretos em uma única rota ao longo de décadas.

    Seus voos não eram mostrados nas tabelas dos aeroportos e as passagens não podiam ser compradas oficialmente para voar entre Cairo e Tel Aviv, rota que a companhia aérea voou secretamente por décadas.

    A companhia aérea em questão é a Air Sinai, que foi criada em 1982, depois que o Egito e Israel alcançaram um acordo de paz.

    O acordo foi assinado em 1979, e estabelecia as relações diplomáticas, econômicas e culturais entre ambas as nações. Ele estipulava o requisito de manter as rotas de aviação civil, onde sempre deveria haver um voo conectando os dois países.

    No entanto, o tratado não recebeu apoio no mundo árabe, fazendo com que a principal companhia aérea egípcia, a EgyptAir, rejeitasse a realizar oficialmente voos a Israel. Sendo assim, foi criada a Air Sinai para cumprimento das disposições do acordo, segundo o portal Atlas Obscura.

    A companhia voou entre Cairo e Tel Aviv, usando aviões e tripulantes da EgyptAir. Com o objetivo de evitar a propagação da conexão entre ambas as companhias aéreas, as aeronaves utilizadas pela Air Sinai não tinham logotipo da matriz.

    Sombra de avião não identificado (imagem referencial)
    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Sombra de avião não identificado (imagem referencial)

    Além disso, seus voos não eram mostrados nas tabelas dos aeroportos, o que fazia com que os passageiros fossem a sempre perguntar sobre o portão de embarque correto. Também não havia sistema de reserva de passagens, sendo possível adquiri-las apenas através das agências de viagens ou pelo e-mail da companhia aérea.

    Estes obstáculos durante o processo de reserva duraram décadas, até que em fevereiro de 2020, surgiu o site da companhia aérea contendo as datas de voos da companhia aérea e permitindo reservar as passagens para qualquer dia.

    Contudo, é possível observar que eles se passam por "agentes" e que a página foi desenvolvida no Reino Unido. A companhia aérea, por sua vez, nega o envolvimento com a página.

    Mais:

    Crise econômica e coronavírus devem acelerar revisão de concessões de aeroportos, diz analista
    Aeroporto de Aleppo reabrirá pela 1ª vez para voos civis desde 2012
    Airbus A320 paquistanês cai com 98 pessoas perto do aeroporto de Carachi (VÍDEOS)
    Tags:
    aeroporto, avião de passageiros, avião, Israel, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar