22:02 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2122
    Nos siga no

    O presidente francês criticou Ancara pelo papel que tem desempenhado no país norte-africano, sublinhando a necessidade de acabar o envolvimento estrangeiro na Líbia, e voltando a criticar a OTAN.

    O presidente francês, Emmanuel Macron, censurou Ancara por seu envolvimento na Líbia.

    "A Turquia está jogando um jogo perigoso na Líbia, e eu disse isso ao presidente [Recep Tayyip] Erdogan", afirmou o líder francês no final das negociações com o presidente tunisiano Kais Saied.

    As ações da Turquia, disse Macron, segundo a agência Reuters, contradizem as obrigações assumidas na conferência de 19 de janeiro em Berlim.

    Macron reiterou o posicionamento francês, pedindo um cessar-fogo de todos os lados do conflito.

    "Discutimos juntos a situação regional e os riscos associados ao recente desenvolvimento da crise na Líbia. A França e a Tunísia, juntas, exigem que as partes em conflito cessem o fogo e cumpram seus compromissos de retomar as negociações aprovadas no âmbito da ONU", declarou.

    Ele também enfatizou a necessidade de pôr um fim à interferência estrangeira na situação da Líbia.

    'Morte cerebral' da OTAN

    A França acusou os militares turcos de comportamento agressivo no Mediterrâneo, mostrado quando os franceses tentaram inspecionar um navio de carga que se dirigia à Líbia sob a proteção da Marinha turca.

    Ancara rejeitou as acusações, dizendo que era o navio francês que realizava manobras perigosas.

    O presidente francês acredita que o recente incidente entre as fragatas turcas e uma francesa na costa da Líbia é um sinal da "morte cerebral" da OTAN.

    "Quando olho para o que aconteceu na semana passada sob o comando da OTAN na costa da Líbia, acho inaceitável. E remeto vocês para as declarações que fiz no final do ano passado sobre a 'morte cerebral' da OTAN", disse Macron, chamando a situação de inaceitável.

    No início de novembro do ano passado, Macron garantiu em entrevista à revista The Economist que é testemunha de algo que chamou de "morte cerebral da Aliança", já que dentro do bloco militar não há coordenação estratégica entre as decisões dos EUA e as dos outros aliados.

    Na ocasião, a chanceler alemã Angela Merkel e o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, expressaram desacordo com as palavras do presidente francês.

    História recente da Líbia

    A Líbia permanece em crise desde a queda de seu líder de décadas, Muammar Kadhafi, em 2011, o que levou a violentos confrontos entre facções rivais.

    Ex-presidente francês Nicolas Sarkozy com antigo líder da Líbia, Muammar Kadhafi, durante a visita deste a Paris (foto de arquivo)
    © AP Photo / Christophe Ena
    Ex-presidente francês Nicolas Sarkozy com antigo líder da Líbia, Muammar Kadhafi, durante a visita deste a Paris (foto de arquivo)

    Existe atualmente uma dualidade de poderes no país: o governo interino com o parlamento de Tobruk, que controla a parte oriental e é apoiado pelo Exército Nacional Líbio (LNA, na sigla em inglês), é liderado pelo marechal Khalifa Haftar, e o Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês), apoiado pela ONU, é liderado por Fayez al-Sarraj, com sede em Trípoli, no noroeste do país.

    No início de abril de 2019, a Líbia entrou em uma nova espiral de violência depois que o LNA de Haftar iniciou uma ofensiva para livrar Trípoli dos "terroristas".

    Forças leais ao governo al-Sarraj responderam com a Operação Vulcão da Ira contra as tropas do marechal.

    Em 3 de junho, as tropas da GNA, apoiadas pela Turquia, anunciaram que haviam recuperado completamente o controle sobre Trípoli.

    No dia 6 de junho, o Cairo sediou um encontro entre o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi, o presidente do Parlamento líbio (assentado em Tobruk, Aguila Saleh) e Haftar, no final do qual foi anunciada uma nova iniciativa de paz que prevê uma trégua em todo o território líbio, a retirada das forças estrangeiras e o desarmamento dos grupos armados.

    A iniciativa foi apoiada pela Rússia, Estados Unidos e vários países árabes, incluindo a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, enquanto o governo de Trípoli e a Turquia a rejeitaram.

    Mais:

    Ancara promete 'graves consequências' se forças de Haftar atacarem instalações turcas na Líbia
    Turquia promete resposta militar caso Haftar ataque missões diplomáticas de Ancara na Líbia
    Haftar assumirá poder na Líbia, declarando queda do acordo de unidade da ONU
    Líbia vive escalada brutal do conflito, conforme COVID-19 se alastra pelo país
    Forças de Haftar capturam blindado turco na Líbia pela 1ª vez, diz mídia (FOTOS)
    Tags:
    OTAN, ONU, Abdel Fattah al-Sisi, Recep Tayyip Erdogan, Emmanuel Macron, França, Turquia, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar