22:39 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2260
    Nos siga no

    As autoridades iranianas esperam que a Rússia e a China se oponham às tentativas dos Estados Unidos de estender o embargo de armas da ONU contra Teerã, declarou o presidente Hassan Rouhani nesta quarta-feira (10).

    "Esperamos que os quatro membros permanentes do Conselho de Segurança resistam a essa conspiração por causa dos interesses e estabilidade do mundo e dos interesses previstos na região e no mundo pelo acordo nuclear", disse Rouhani em uma reunião do gabinete.

    "Especialmente por nossos dois amigos países, Rússia e China, esperamos que eles resistam a essa conspiração", acrescentou.

    Na semana passada, a representante dos EUA nas Nações Unidas, Kelly Craft, anunciou que os EUA haviam enviado à Rússia um projeto de resolução do Conselho de Segurança sobre a extensão do embargo de armas contra o Irã.

    "A Rússia e a China precisam aderir a um consenso global sobre a conduta do Irã", destacou Kelly. "É um imperativo absoluto que exercitemos todas as nossas opções para garantir que esse embargo de armas da ONU seja estendido".

    A proibição de vender armas ao Irã deve ser progressivamente facilitada a partir de outubro, de acordo com a Resolução 2231 do Conselho de Segurança. As armas incluem tanques de batalha, aviões de combate, navios de guerra e mísseis ou sistemas de mísseis, de acordo com a resolução.

    Em junho de 2015, um conjunto de países aprovou, na cidade suíça de Lausanne, o Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês), que regula o programa nuclear do Irã.
    © AP Photo / Brendan Smialowski
    Em junho de 2015, um conjunto de países aprovou, na cidade suíça de Lausanne, o Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês), que regula o programa nuclear do Irã.

    Mas um embargo da ONU a materiais, bens, equipamentos e tecnologia que o Irã poderia usar para seu programa de mísseis balísticos permanecerá em vigor até outubro de 2023. A União Europeia (UE) disse que continuará aplicando seu próprio embargo de armas contra o Irã após o levantamento do primeiro embargo da ONU.

    Na terça-feira (9), o representante da Flórida, Greg Steube, afirmou que os republicanos do Congresso dos EUA planejam lançar novas sanções contra Teerã, vinculadas ao término do embargo de armas em outubro.

    Em 2015, o Irã assinou o Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA) com China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e União Europeia. Ele exigiu que o Irã reduzisse seu programa nuclear e rebaixasse severamente suas reservas de urânio em troca de sanções, incluindo a suspensão do embargo de armas cinco anos após a adoção do acordo.

    Em 2018, os Estados Unidos abandonaram sua posição conciliadora em relação ao Irã, retirando-se do JCPOA e implementando políticas de linha dura contra Teerã. Como resposta, a República Islâmica gradualmente reduziu seus compromissos e alertou que estender o embargo significaria a morte do acordo nuclear.

    Mais:

    Teerã é capaz de interceptar o 'maior drone espião' dos EUA, diz militar iraniano
    Líder supremo do Irã: planos do inimigo contra Teerã estão condenados ao fracasso
    Lançamento de satélite iraniano indica 'derrota da inteligência' dos inimigos de Teerã, diz militar
    Tags:
    União Europeia, acordo nuclear, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), embargo de armas, embargo, China, Rússia, Hassan Rouhani, Conselho de Segurança da ONU, Teerã, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar