04:18 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9556
    Nos siga no

    Um cidadão iraniano proporcionou informação aos serviços de inteligência dos EUA e Israel sobre o paradeiro do general que faleceu durante um ataque em 3 de janeiro.

    As autoridades do poder judiciário do Irã anunciaram nesta terça-feira (9) que um agente da CIA envolvido no assassinato do major-general iraniano Qassem Soleimani será executado, informa a agência Reuters.

    Trata-se de um cidadão iraniano que repassou informação indispensável aos serviços de inteligência dos EUA e Israel para encontrar o general iraniano.

    "Mahmoud Mousavi-Majd, um dos espiões da CIA e do Mossad, foi condenado à morte [...] por ter repassado o paradeiro do mártir Soleimani a nossos inimigos", expressou o porta-voz da Justiça do Irã, Gholamhossein Esmaili, em uma coletiva de imprensa.

    Ataque por parte dos EUA

    O general iraniano faleceu durante um ataque de mísseis na capital iraquiana. O Pentágono afirmou que "o ataque tinha como objetivo dissuadir futuros planos de ataques iranianos", e acusou Soleimani de "desenvolver ativamente planos para atacar diplomatas e membros dos serviços norte-americanos no Iraque e em toda a região".

    Qassem Soleimani foi uma figura-chave na coordenação das ações militares do Irã na região, além de ter atuado nos serviços de inteligência da nação persa.

    Vários especialistas consideram que o general assassinado era a segunda pessoa mais poderosa do Irã, após o líder supremo, aiatolá Khamenei, e tinha mais influência que o presidente iraniano, Hassan Rouhani.

    Mais:

    Netanyahu pede sanções globais 'paralisantes' ao Irã por 'violações' de tratado nuclear
    Destroços de avião usado pela CIA durante Guerra Fria são encontrados no Vale da Morte
    'Um acordo é possível': Trump agradece ao Irã pela libertação de prisioneiro norte-americano
    Tags:
    espião, EUA, CIA, execução, Qassem Soleimani, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar