22:48 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    12330
    Nos siga no

    O marechal Khalifa Haftar declarou que suas forças assumirão o controle da Líbia, argumentando que o acordo de unidade negociado pela ONU está morto.

    A declaração foi feita durante um discurso televisionado, no qual Haftar informou que a "vontade do povo" lhe deu um mandato para governar, anunciando que o seu Exército Nacional Líbio (LNA) assumirá o controle do país.

    "O Comando Geral das Forças Armadas aceita a vontade do povo apesar do peso dessa confiança, da multiplicidade de obrigações e da magnitude das responsabilidades perante Deus, nosso povo, nossa consciência e história", disse.

    As forças de Haftar já controlam a maior parte da Líbia, e passaram grande parte do último ano avançando contra Trípoli para derrubar o Governo do Acordo Nacional (GNA), criado em 2015 após as conversações mediadas pela ONU, na sequência da operação da OTAN liderada pelos EUA que depôs o governante líbio Muammar Gaddafi e jogou o país em anos de guerra civil.

    Acordo de unidade

    Durante o discurso, dirigindo-se aos "líbios livres", o general condenou o acordo de unidade que estabeleceu o GNA, insistindo que ele "destruiu" a Líbia, e que os cidadãos tinham escolhido outro líder "elegível".

    "Seguimos sua resposta ao nosso chamado para anunciar a queda do Acordo Político, que destruiu o país e o levou ao abismo, e para autorizar aqueles que consideram elegíveis para liderar esta etapa", disse Haftar, acrescentando que o LNA trabalharia para criar "instituições duráveis do Estado civil".

    Em resposta ao anúncio, a Embaixada dos EUA em Trípoli disse que Washington lamenta "a sugestão de Haftar de que mudanças na estrutura política da Líbia podem ser impostas por declaração unilateral", e instando o LNA a declarar um cessar-fogo durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã, enquanto o país luta contra o surto de coronavírus.

    Contando com o apoio da Turquia, o GNA conseguiu repelir as ofensivas de Haftar ao longo do último ano, inclusive ganhando terreno contra o LNA perto de Trípoli nas últimas semanas. No entanto, o governo de unidade pediu apoio a Washington, declarando em fevereiro que receberia tropas dos EUA em solo líbio para ajudar na luta contra o "terrorismo".

    Militante das forças líbias leais a Khalifa Haftar (foto de arquivo)
    © REUTERS / Esam Omran Al-Fetori
    Militante das forças líbias leais a Khalifa Haftar (foto de arquivo)

    A operação de mudança de regime da OTAN em 2011, que forçou Kadhafi a sair do poder e terminou em uma brutal execução à beira da estrada às mãos de rebeldes apoiados pelo Ocidente, transformou a Líbia em um Estado devastado pela guerra, promovendo quase uma década de conflito armado entre centros de poder concorrentes e a ascensão de grupos terroristas como o Daesh (proibido na Rússia e demais países), que floresceu em focos de anarquia criados em meio aos combates.

    Mais:

    Líbia vive escalada brutal do conflito, conforme COVID-19 se alastra pelo país
    Forças de Haftar teriam abatido aeronave do GNA (VÍDEO)
    Forças de Haftar capturam blindado turco na Líbia pela 1ª vez, diz mídia (FOTOS)
    Tags:
    Exército Nacional Líbio (LNA), Trípoli, ONU, Conflito na Líbia, Líbia, Khalifa Haftar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar