04:37 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)
    221
    Nos siga no

    Israel começará a gradualmente retirar as medidas de distanciamento social impostas para evitar a disseminação da COVID-19, anunciou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. 

    Entre as primeiras medidas de relaxamento estão a liberação para o funcionamento de alguns tipos de lojas e a permissão para exercícios ao ar livre. 

    "As empresas poderão trazer 30 por cento de sua força de trabalho de volta", disse Netanyahu em pronunciamento à nação neste sábado (18). 

    "Lojas que vendem eletrônicos, artigos de papelaria, óticas, equipamentos de computador e livros poderão reabrir desde que não localizada em shoppings", acrescentou o primeiro-ministro. 

    Além disso, Netanyahu disse que os cidadãos poderão se exercitar ao ar livre, mas com no máximo duas pessoas juntas e desde que morem na mesma casa. 

    Ele também informou que a suspensão para orações em lugares abertos será retirada, mas o número de pessoas reunidas não poderá ultrapassar 10. 

    Medidas podem entrar em vigor neste domingo (19)

    Netanyahu prometeu reabrir as escolas de educação especial e permitir que jardins de infância funcionem com classes reduzidas. 

    O funcionamento do transporte público também aumentará para permitir que os israelenses possam ir ao trabalho. 

    As medidas propostas pelo primeiro-ministro serão discutidas pelo governo de Israel no domingo (19) e poderão entrar em vigor neste dia. 

    O país já registrou 13.265 casos da COVID-19 e 164 mortes. Segundo o governo, o número de pacientes recebendo tratamento intensivo caiu significativamente, assim como de pessoas necessitando de ventiladores pulmonares. 

    Tema:
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)

    Mais:

    Carreata pede a reabertura do comércio no Rio de Janeiro e em São Paulo (FOTOS, VÍDEO)
    São Paulo recebe 574 mil testes de COVID-19 encomendados da Coreia do Sul
    Brasil tem 2.347 mortes e 36.599 casos confirmados da COVID-19, diz ministério
    Weintraub diz que vai recorrer de decisão que adia Enem: 'Brasil não pode parar'
    'Não vão me tirar daqui', diz Bolsonaro a grupo de manifestantes
    Tags:
    governo, doença, saúde, quarentena, novo coronavírus, COVID-19, pandemia, Israel, Benjamin Netanyahu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar