17:09 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3331
    Nos siga no

    A tecnologia naval iraniana foi projetada para ajudar no mapeamento e na comunicação no mar, criando uma rede para identificação subaquática.

    A rede sem fio de sensores, chamada Waza, foi projetada e desenvolvida pela Marinha iraniana com o objetivo de coletar informações subaquáticas, segundo o The Jerusalem Post.

    Os iranianos afirmam que a rede de sensores submarinos foi desenvolvida pela ciência e é uma das tecnologias mais avançadas do mundo, utilizada apenas pelos países mais avançados, declarou Teerã.

    Navios militares iranianos durante reabastecimento, no Porto Sudão, em 6 de maio de 2014
    © AFP 2020 / STR
    Navios militares iranianos durante reabastecimento, no Porto Sudão, em 6 de maio de 2014

    Com forças terrestre e naval inferiores às de países inimigos, como Estados Unidos, o Irã investe no seu poder submarino, já que possui diversas classes diferentes, tendo muitas delas sido construídas pela Rússia há décadas e ainda sendo capazes de se aventurar em águas distantes.

    Além disso, o Irã implantou minas e torpedos em seus submarinos, além de novas tecnologias que podem ajudar a revelar as "forças terroristas ocultas sob o comando de grandes potências" escondidas nas águas iranianas.

    Anteriormente, o Irã utilizou suas tecnologias para abater um drone Global Hawk dos EUA que estava sobrevoando a costa iraniana.

    O Irã segue demonstrando seu avanço tecnológico, através de testes e demonstrações envolvendo mísseis de cruzeiro, novas embarcações, drones de vigilância e outros equipamentos militares.

    Mais:

    Irã vai começar a construir destróier de 6.000 toneladas neste ano, revela militar
    Trump diz que Irã poderia estar planejando 'ataque furtivo' contra tropas dos EUA no Iraque
    Irã desenvolve seu próprio sistema de detecção rápida da COVID-19
    Tags:
    EUA, tecnologias, tecnologia, submarinos, submarino, Marinha, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar