12:19 06 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    756
    Nos siga no

    Em guerra aberta com seu rival Gantz para formar governo em Israel, o partido de Netanyahu apresentou no parlamento dois polêmicos projetos de lei.

    O primeiro projeto de lei para aprovação no Knesset (parlamento israelense) pretende legalizar a anexação do Vale do Jordão ocupado, da área ao norte do mar Morto e do deserto de Hebron. O segundo projeto, se aprovado, reintroduziria a pena de morte para prisioneiros palestinos.

    Os dois projetos provocaram uma imediata e enérgica reação da Autoridade Palestina, mas até agora a maior parte da comunidade internacional tem ignorado a questão.

    Esses projetos parecem ter como objetivo diminuir as possibilidades de Benny Gantz de formar governo.

    Benny Gantz em discurso político direcionado aos seus apoiadores em Israel (foto de arquivo)
    © REUTERS / CORINNA KERN
    Benny Gantz em discurso político direcionado aos seus apoiadores em Israel (foto de arquivo)

    Recentemente indigitado pelo presidente para apresentar um executivo, Gantz necessita dos votos do partido de direita liderado por Lieberman e dos partidos que representam a minoria árabe.

    A resposta palestina

    Fayez Abu Ayta, secretário do Conselho Revolucionário do movimento Fatah, disse em entrevista à Sputnik Árabe que "a implementação do Acordo do Século é uma ideia fixa de Netanyahu e de seu partido. A comunidade internacional deveria condenar os projetos de lei por serem contrários ao direito internacional", disse ele.

    Para o responsável da Fatah, eles "são crimes contra o povo palestino, contra a nossa terra. Não vamos ficar parados perante a política populista do Likud, especialmente no caso da anexação de terras palestinas ou qualquer medida que possa causar danos aos prisioneiros palestinos nas prisões israelenses. Não vamos permitir que isso aconteça".

    Projetos visam condicionar Ganz

    Por sua vez, Ayman al-Rakab, professor de ciências políticas na Universidade Al-Aqsa em Jerusalém, acredita que o Likud está tentando com estes dois projetos de lei minar a tentativa de Benny Ganz de formar uma coalizão governamental.

    "Ganz já se entendeu com a Lista Árabe Unida e o partido de Liberman […] Dado que nestas circunstâncias nem Lieberman nem os árabes israelenses apoiarão esses projetos, o Likud pode afirmar que eles estão tentando impedir sua liderança legitimada pelas últimas eleições", disse.

    Para o professor, Netanyahu está tentando abertamente colocá-los em um beco sem saída, pois Ganz apoiou o plano de Trump. Por isso ele prevê que os projetos seriam aprovados.

    Quanto à Autoridade Palestina, por sua vez, só lhe resta recorrer à ONU, pois não possui nenhuma outra alternativa, concluiu o especialista.

    Mais:

    Governo Gantz em Israel diminuiria 'pressão' por mudança de embaixada brasileira para Jerusalém
    Netanyahu pede que israelenses usem saudação indiana para impedir avanço do coronavírus
    Julgamento de Netanyahu por corrupção é adiado por causa do coronavírus
    Tags:
    Benny Gantz, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar