16:22 29 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10726
    Nos siga no

    Surgiram as primeiras imagens de alegados ataques aéreos conjuntos dos EUA e Reino Unido visando depósitos de munições de milícias iraquianas.

    Militares dos EUA conduziram ataques aéreos de retaliação no Iraque, visando as instalações da milícia xiita Kataib Hezbollah, com o objetivo de destruir armas alegadamente usadas pelo grupo contra as forças da coalizão.

    Anteriormente foi relatado que um grupo rebelde disparou ao menos 18 projéteis do tipo Katyusha contra a base militar Taji, no Iraque, uma instalação que hospeda forças da coalizão, alegadamente matando dois soldados norte-americanos e um militar britânico, e ferindo outros 12.

    No final do dia surgiram nas redes sociais imagens do que seria um ataque de retaliação do Pentágono. O primeiro vídeo mostra o alegado momento da detonação de um projétil. Uma testemunha que registra o bombardeamento em vídeo tenta fugir da área perigosa.

    NOVO: Imagens não verificadas dos efeitos do bombardeio aéreo do Iraque pelos EUA e Reino Unido esta noite.

    Um segundo vídeo mostra um reforço da segurança em torno da embaixada dos EUA na Zona Verde de Bagdá, onde se encontra a maioria dos escritórios do governo. Não houve nenhuma declaração oficial emitida em relação aos vídeos.

    Forças de segurança foram enviadas para as proximidades da embaixada dos EUA na Zona Verde de Bagdá, Iraque

    O Departamento de Defesa dos EUA afirmou em uma declaração que os ataques de quinta-feira (12) foram "defensivos, proporcionais e em resposta direta" à ameaça representada pelas milícias xiitas apoiadas pelo Irã.

    Mais:

    Pompeo cobra proteção das instalações dos EUA no Iraque
    Ataque com foguetes atinge região da embaixada dos EUA no Iraque (VÍDEO)
    Bagdá quer minimizar dependência dos EUA na luta contra Daesh, dizem comandantes iraquianos
    Tags:
    Katyusha, Taji, Kataib Hezbollah, Reino Unido, EUA, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar