21:58 29 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    674
    Nos siga no

    Os Estados Unidos não vão comprometer suas tropas para aliviar tensões na província síria de Idlib, apesar dos apelos para fazê-lo, disse o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert O'Brien, nesta quarta-feira.

    "Essa é uma situação muito difícil. Algumas pessoas sugeriram que parássemos os combates, mas não vamos deixar a 101ª [Divisão Aerotransportada] no meio das forças de defesa russas, sírias, iranianas, da Al-Qaeda [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países], turcas", disse o assessor do presidente Donald Trump durante discurso na Fundação Heritage. "Não é algo com o qual vamos comprometer os soldados americanos neste momento".

    Segundo O'Brien, por enquanto, os EUA vão se concentrar em apoiar a Turquia na frente humanitária, "com a crise de refugiados que eles estão enfrentando".

    "Sentimos que estamos fazendo muito na Síria", disse ele. 

    ​Ainda de acordo com o conselheiro de Segurança Nacional, a recente escalada dos conflitos no noroeste da Síria serviu para ensinar ao presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que confiar na Rússia como parceiro e aliado pode não ser sempre uma boa ideia, especialmente em um lugar como a Síria.

    As tensões em Idlib aumentaram devido a uma ofensiva do Exército Árabe Sírio para retomar o controle de áreas dominadas por grupos armados rebeldes, incluindo alguns apoiados pela Turquia, que, por sua vez, mantém tropas na região, sem autorização de Damasco, desde o final de 2017. Os confrontos desencadearam um conflito direto entre forças turcas e sírias na província, onde um regime de cessar-fogo foi estabelecido na semana passada, após um acordo entre Erdogan e o presidente Vladimir Putin, da Rússia, principal aliada do governo sírio.

    Mais:

    Israel estaria utilizando aviões civis como 'escudo' para efetuar ataques de mísseis na Síria
    Encontradas provas de preparação de ataque químico na cidade síria de Saraqeb (VÍDEO)
    EUA responderão com sanções se Rússia e Síria romperem cessar-fogo em Idlib
    Tags:
    Damasco, Recep Tayyip Erdogan, Heritage Foundation, PKK, Vladimir Putin, Donald Trump, Idlib, Rússia, Estados Unidos, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar