17:22 29 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    451
    Nos siga no

    Terroristas ligados à Al-Qaeda disseram que só participarão de negociações de paz com o governo do Mali se as autoridades locais expulsarem as forças francesas e da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Não houve resposta imediata das autoridades malinesas. O governo tenta nas últimas semanas estabelecer um diálogo para tentar acabar com uma insurgência que espalhou violência por todo o país da África Ocidental e seus vizinhos.

    Mas as autoridades do Mali disseram repetidamente que querem que as forças francesas fiquem. A França também prometeu aumentar sua presença militar na região do Sahel.

    Ataques de grupos ligados à Al-Qaeda e ao Daesh (grupos terroristas proibidos na Rússia) no Mali e nos vizinhos Burkina Faso e Níger mataram centenas de civis no ano passado e provocaram represálias ainda mais mortíferas.

    O derramamento de sangue piorou, apesar da presença de mais de 11 mil tropas das forças de manutenção da paz da ONU no Mali e cerca de 5.000 soldados franceses em toda a região, informa a agência de notícias Reuters.

    O Mali está em caos desde 2012, quando combatentes jihadistas sequestraram uma insurreição dos separatistas tuaregues para tomar todo o deserto do norte do país. Os terroristas recuaram apenas após uma intervenção militar liderada pela França, ex-governante colonial do Mali, no ano seguinte. Mais de um milhão de pessoas teve que fugir de suas casas para escapar da violência.

    Mais:

    Chefe da ONU acusa governo Bolsonaro por retrocessos na política ambiental
    Cuba quer entrar no Conselho dos Direitos Humanos da ONU no período 2021-2023
    ONU declara preocupação com escalada militar na Síria
    Coronavírus: especialista da ONU pede que Coreia do Norte aceite ajuda externa
    Chefe de agência nuclear da ONU manda recado ao Irã: 'coopere imediatamente'
    Tags:
    França, ONU, Mali
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar