00:42 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6668
    Nos siga no

    Os EUA podem ser o principal culpado pelo surto de COVID-2019 que atingiu a China e o Irã, afirmou o chefe do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, indicando ainda que o vírus acabe se voltando contra aqueles que o desencadearam.

    "É possível que esse vírus seja o produto de um ataque biológico da América que se espalhou inicialmente para a China e depois para o Irã e o resto do mundo", disse Hossein Salami nesta quinta-feira, conforme noticiado pela mídia estatal.

    Ele prometeu que o Irã "combateria" o vírus e alertou que a doença "retornará" aos Estados Unidos, se Washington fosse realmente responsável pelo surto.

    O Irã foi um dos países mais atingidos pelo COVID-19 fora da China continental onde se originou. Até quinta-feira, a República Islâmica registrou 3.513 casos confirmados e 107 mortes atribuídas ao vírus. Cerca de 15 pessoas que sucumbiram ao coronavírus morreram nas últimas 24 horas, segundo o ministro da Saúde do Irã, Saeed Namaki.

    Mulheres iranianas com máscaras em meio a propagação do coronavírus, Teerã, Irã
    © Sputnik / Anton Bystrov
    Mulheres iranianas com máscaras em meio a propagação do coronavírus, Teerã, Irã

    O país persa fechou todas as escolas e universidades até o final do ano civil do país, em 20 de março, em um esforço para impedir a propagação do vírus.

    Na terça-feira, a mídia estatal anunciou que o chefe dos serviços médicos de emergência do Irã estava sendo tratado por coronavírus. Inúmeras autoridades iranianas de alto nível ficaram doentes com o vírus.

    Recentemente, 23 parlamentares testaram positivo para a doença na República Islâmica. Mohammad Mirmohammadi, membro de um conselho que aconselha o líder supremo, morreu após ficar doente da doença. Sua morte segue a de outros dois iranianos de alto perfil que contraíram o vírus - um ex-embaixador e um membro recém-eleito do Parlamento.

    Mais:

    Irã teria recebido da Huawei equipamento norte-americano sancionado
    EUA estão deixando Afeganistão 'depois de 19 anos de humilhação', diz chanceler do Irã
    Armas nucleares: Irã e Coreia do Norte são pauta de encontro entre Macron e diretor da AIEA
    Tags:
    Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, armas biológicas, saúde, COVID-19, novo coronavírus, Hossein Salami, China, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar