07:56 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    392
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (26), o Ministério das Relações Exteriores do Egito condenou os planos israelenses de construir novos assentamentos em territórios palestinos, dizendo que tais ações contrariam o direito internacional.

    Na quinta-feira (20), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou a construção de 2,2 mil unidades habitacionais na região de Har Homa, em Jerusalém Oriental. O premiê também afirmou que já autorizou outras 7 mil unidades do tipo em Jerusalém.

    "Essas ações são contrárias ao direito internacional, conforme estabelecido em resoluções do Conselho de Segurança da ONU e nas fontes de direito relacionadas à questão palestina, e frustram as chances de paz com base em uma solução de dois estados", escreveu o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Egito, Ahmed Hafez, na página da chancelaria no Facebook.

    A Palestina também protestou contra a decisão de Israel de construir milhares de unidades residenciais nos bairros de Jerusalém Oriental.

    As tensões na região aumentaram desde que o governo dos Estados Unidos anunciou o chamado "Acordo do Século", uma proposta de dois estados para solucionar o conflito Israel-Palestina. O plano, porém, não teve participação dos palestinos e foi negociado por Washington apenas com os israelenses.

    O plano foi rechaçado pelo governo palestino e mais tarde também pela Liga Árabe, da qual o Egito faz parte.

    Mais:

    Poderia Israel ganhar ao 'apostar no gás' nas relações com Egito?
    Kremlin: 'Acordo do Século' dos EUA para Israel e Palestina contradiz várias resoluções da ONU
    Senado quer ouvir Ernesto Araújo sobre apoio a plano de Trump para Israel e Palestina
    Após reunião de emergência, Liga Árabe rejeita 'plano de paz' de Donald Trump
    Tags:
    Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar