15:09 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1112
    Nos siga no

    Líder do Hezbollah defendeu que libaneses deixem de usar o dólar norte-americano e pediu um boicote à compra de produtos dos EUA, em retaliação aos "crimes" cometidos pela Casa Branca.

    Neste domingo (17), o secretário-geral do movimento libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, proferiu um discurso no qual acusou a administração Trump de ser "a mais injusta e corrupta" da história dos EUA.

    O líder ainda pediu que os libaneses deixem de utilizar o dólar norte-americano, a fim de retaliar os EUA pelos seus "crimes".

    "A administração Trump cometeu dois crimes recentemente: primeiro, o assassinato do tenente general Qassem Soleimani [...] segundo, o anúncio do chamado 'acordo do século'", disse, se referindo ao plano da Casa Branca para a questão israelo-palestina.

    Para ele, o 'acordo do século' tem o objetivo de liquidar a causa palestina, reportou a agência de notícias Tasnim.

    "Não é um acordo. É uma proposta de Trump para liquidar a causa palestina. Nenhum dos grupos palestinos irá aprovar o plano", declarou.

    Nasrallah defendeu o boicote à compra de produtos norte-americanos, uma vez que Washington usaria do seu poderio econômico para pressionar os países árabes a atenderem as suas demandas.

    Apoiadores do grupo Hezbollah e seu líder, Hassan Nasrallah, carregam foto do general iraniano assassinado por forças dos EUA, Qassem Soleimani, em 16 de fevereiro de 2020
    © REUTERS / Aziz Taher
    Apoiadores do grupo Hezbollah e seu líder, Hassan Nasrallah, carregam foto do general iraniano assassinado por forças dos EUA, Qassem Soleimani, em 16 de fevereiro de 2020

    Ele elogiou o Líbano por ter rejeitado a adoção do plano da Casa Branca, que seria uma "ameaça" para o Líbano.

    Nasrallah disse que um dos pontos mais preocupantes do plano é desconsiderar o status de refugiados dos palestinos que vivem em países árabes. Mais de 470 mil refugiados palestinos residem no Líbano, que foi palco de massacres como os de Sabra e Shatila.

    De acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos, estes vivem em situação precária e não usufruem de direitos básicos garantidos a estrangeiros no Líbano, uma vez que formalmente não são cidadãos de nenhum país.

    Campo de refugiados palestinos de Ain al-Hilweh, Líbano
    © REUTERS / Ali Hashisho
    Campo de refugiados palestinos de Ain al-Hilweh, Líbano

    O plano da Casa Branca estabelece que "os irmãos árabes têm a responsabilidade moral de integrar os [refugiados palestinos] em seus países".

    Países como o Líbano e a Jordânia argumentam não ter capacidade econômica para integrar todos os refugiados palestinos e responsabilizam Israel pela crise humanitária que se estende há pelo menos sete décadas.

    Mais:

    'Acordo do Século' de Trump é 'projeto de ocupação' no Oriente Médio, afirma Erdogan
    O que é o plano de Trump para Israel e Palestina e o que o Brasil achou disso?
    Pompeo reconhece que 'acordo do século' de Trump para Oriente Médio pode falhar, diz mídia
    Tags:
    Sayyed Hassan Nasrallah, Hezbollah, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar