14:27 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    380
    Nos siga no

    Todos os interessados podem ter acesso às caixas-pretas do avião derrubado no Irã, desde que venham ao território iraniano analisá-las, declarou o ministro das Relações Exteriores do Irã.

    Os dados das caixas-pretas da aeronave ucraniana derrubada nos arredores de Teerã estão disponíveis para todas as partes interessadas, inclusive para os EUA, mas o acesso deve ser realizado em território iraniano, declarou o ministro das Relações Exteriores, Javad Zarif.

    "Elas [caixas-pretas] estão disponíveis para todas as partes interessadas, inclusive para os EUA, o país que fabricou [a aeronave]", disse Zarif em entrevista ao canal norte-americano NBC.

    De acordo com o ministro, o "Irã não vai tocar nas caixas-pretas sem a presença das demais partes interessadas".

    Local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã
    © Sputnik / Sociedade do Crescente Vermelho da República Islâmica do Irã
    Local do acidente do Boeing 737-800, perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini em Teerã

    Zarif relatou que o Irã entrou em contato com representantes de EUA, França e Canadá para solicitar equipamentos que permitam a decodificação das caixas-pretas, mas não obteve resposta. O Irã não possui a tecnologia necessária para acessar os dados armazenados nas caixas-pretas do Boeing 737.

    "Eu acho que eles [norte-americanos] devem nos fornecer os meios para decodificar os dados, eles podem estar presentes [durante a decodificação]", propôs o ministro. "Eles podem vir ao Irã com seus equipamentos e realizar o processo eles mesmos, mas na nossa presença."

    Em 8 de janeiro, uma aeronave Boeing 737 de uma companhia aérea ucraniana foi derrubada pelas Forças Armadas iranianas, que assumiram a responsabilidade pelo incidente poucos dias depois.

    Na tragédia morreram 176 pessoas, incluindo cidadãos do Irã, Ucrânia, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Suécia e Afeganistão.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar