13:51 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    440
    Nos siga no

    Segundo Marco Minniti, deputado do Partido Democrático italiano, Ancara deve respeitar os acordos atingidos em Berlim sobre Líbia para evitar que situação saia fora do controle.

    A Turquia deve manter os compromissos assumidos na conferência de Berlim sobre a Líbia e evitar que a crise no país do Norte de África se torne uma guerra indireta, afirmou Marco Minniti, deputado do Partido Democrático e ex-ministro do Interior italiano, que serviu como conselheiro de vários premiês e é considerado um dos políticos mais proeminentes da Itália que lidam com a questão líbia.

    "Estou preocupado com o fato de que a Líbia possa se tornar a terra do confronto militar e diplomático com países que nada têm a ver com a Líbia. Devemos evitar guerras indiretas. Isso é o mais importante, e espero que os amigos da Turquia estejam cientes disso", disse Minniti.

    Ao mesmo tempo, o político expressou compreensão pela iniciativa da Turquia de fazer um memorando de entendimento sobre cooperação em segurança e defesa com o Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês).

    "Não contesto o Memorando de Entendimento que foi assinado entre a Turquia e o GNA. Claro que para a Turquia é particularmente difícil passar do Mediterrâneo Oriental para o Mediterrâneo Central", disse Minniti.

    Mulheres líbias na Praça do Mártir, em Tripoli, na Líbia, em março de 2019 (foto de arquivo)
    © AP Photo / Hazaem Ahmed
    Mulheres líbias na Praça do Mártir, em Tripoli, na Líbia, em março de 2019 (foto de arquivo)

    No entanto, Minniti advertiu a Turquia para não ir longe demais, dizendo que, uma vez arrastada para o conflito líbio, ela poderia em última análise "perder o controle" sobre a situação.

    "Mesmo que alguém esteja convencido de estar no controle da situação, posso dizer pela minha experiência pessoal, e estou familiarizado com ela em detalhe, que se deve evitar virar aprendiz de feiticeiro, porque quando se invoca fantasmas pode acontecer que, em última análise, se perca o controle sobre eles. Penso que é necessário que a Turquia, como uma das partes signatárias de Berlim, cumpra o acordo de Berlim", disse o legislador.

    Cenário atual do conflito

    No dia 19 de janeiro, Berlim sediou uma conferência internacional sobre a reconciliação líbia, com a Turquia entre seus participantes. Em um comunicado conjunto, os signatários se comprometeram a abster de prestar assistência às partes rivais e a manter um embargo de armas à Líbia.

    Contudo, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que seu país, que recentemente enviou tropas para a Líbia, manterá sua presença militar no país para apoiar o GNA na luta contra o Exército Nacional Líbio (LNA, na sigla em inglês), seu adversário.

    Enquanto a Líbia continua dividida entre as duas administrações rivais, a próxima conferência de Berlim deverá ocorrer em meados de março a nível de ministros das Relações Exteriores.

    No momento, a autoridade do GNA é desafiada pelo Parlamento de Tobruk, apoiado pelo comandante do Exército Nacional Líbio, marechal Khalifa Haftar. Ele anunciou anteriormente uma mobilização contra a intervenção estrangeira, exortando a comunidade internacional a parar de se intrometer.

    Mais:

    Parlamento do Leste da Líbia 'não irá ceder' e aceitar forças da Turquia no país, diz porta-voz
    Resultados da reunião sobre Líbia em Berlim: pode se esperar uma trégua se nada foi assinado?
    Alemanha defende punição para quem quebrar embargo e vender armas à Líbia
    Tags:
    Mediterrâneo, LNA, GNA, Itália, Recep Tayyip Erdogan, Líbia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar