23:42 10 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6181
    Nos siga no

    O Irã quer resolver as diferenças com seus inimigos do golfo Pérsico, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, "o mais rápido possível", afirmou o embaixador de Teerã no Iraque em comentários publicados nesta terça-feira.

    O embaixador Iraj Masjedi disse que o principal comandante Qassem Soleimani, morto no aeroporto de Bagdá por um ataque aéreo dos EUA no mês passado, transmitia uma mensagem estabelecendo a posição do Irã sobre uma possível aproximação com a Arábia Saudita, informou a Reuters.

    "Teerã congratula-se com o papel do Iraque na tentativa de resolver diferenças entre o Irã e a Arábia Saudita", comentou Masjedi, referindo-se aos recentes esforços do Iraque para mediar entre os rivais regionais, expressando o desejo do Irã de "resolver as diferenças e os desafios com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos o mais rapidamente possível".

    O Irã muçulmano xiita está em desacordo com os aliados árabes sunitas dos EUA no Golfo. Washington culpou uma série de ataques contra os interesses do petróleo no Golfo no ano passado ao Irã, e o assassinato de Soleimani levou a região à beira da guerra.

    A mensagem de Soleimani que ele deveria entregar quando chegasse a Bagdá em 3 de janeiro, no dia em que foi morto, expôs a posição de Teerã em "combater o terrorismo e alcançar a paz e a segurança na região", destacou Masjedi.

    Um alto funcionário saudita ponderou no mês passado que não estava ciente de nenhuma mensagem transmitida por Soleimani para os esforços de mediação entre Riad e Teerã.

    O comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, general-major Qassem Soleimani, (no centro) na reunião com o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, e comandantes em Teerã (foto de arquivo)
    © AP Photo / Escritório do líder supremo iraniano
    O comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, general-major Qassem Soleimani, (no centro) na reunião com o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, e comandantes em Teerã (foto de arquivo)

    Conflito entre Teerã e Washington

    O assassinato de Soleimani golpeou a estratégia regional do Irã. Soleimani era a mente por trás do controle do Irã, através de forças de milícias por procuração e alianças políticas, sobre um corredor de território que se estendia de Teerã ao Iraque até o Mediterrâneo via Síria e Líbano.

    Os Estados Unidos dizem que estão determinados a combater a influência do Irã na região e impuseram sanções econômicas ao setor de petróleo e aliados do Irã no exterior e atacaram suas forças paramilitares.

    Após o assassinato de Soleimani ao lado do principal comandante paramilitar iraquiano Abu Mahdi al-Muhandis, o Irã lançou pelo menos 15 mísseis em duas bases que hospedam forças dos EUA no Iraque, causando lesão cerebral traumática em 50 membros dos serviços dos EUA, mas nenhuma morte.

    Masjedi disse que o ataque à extensa base foi uma resposta a Washington usando "bases na região [...] e escolhendo o território iraquiano" para matar Soleimani - uma sugestão de que o ataque com drones foi lançado de Ain Al-Asad.

    Ele disse que o Irã responderia duramente a futuros ataques dos Estados Unidos.

    Masjedi também saudou a nomeação na semana passada do primeiro-ministro do Iraque, Mohammed Tawfiq Allawi, que é aceito pelos grupos políticos iraquianos apoiados pelo Irã, mas rejeitado pelos manifestantes que realizaram meses de protestos anti-establishment.

    Mais:

    Teerã: sanções dos EUA tornam Irã mais determinado a desenvolver programa nuclear
    Irã anuncia lançamento de satélite que EUA dizem fazer parte de programa bélico
    Espião da CIA será condenado à morte, confirma porta-voz do judiciário do Irã
    Tags:
    sunitas, xiitas, relações bilaterais, inimigos, diplomacia, Estados Unidos, Qassem Soleimani, Iraque, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar