18:55 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    281
    Nos siga no

    Palestina aceitará se desmilitarizar somente após se tornar um Estado plenamente independente, declarou o embaixador palestino na Rússia, Abdel Hafiz Nofal.

    "Não será um problema para nós nos converter em um Estado desmilitarizado se for alcançado um acordo sério sobre a criação de dois Estados e se forem cumpridas todas as exigências do nosso povo", declarou o embaixador em coletiva de imprensa celebrada na agência Rossiya Segodnya.

    Em 28 de janeiro, Donald Trump apresentou em Washington o chamado "Acordo do Século" para solucionar o conflito palestino-israelense.

    O plano prevê a criação do Estado palestino e sua desmilitarização, a manutenção do controle israelense sobre a Cisjordânia e a proclamação de Jerusalém como capital "indivisível".

    De acordo com o plano norte-americano, a capital palestina não seria em toda Jerusalém Oriental, como desejam as autoridades palestinas, mas, sim, em um setor localizado em áreas ao leste e norte da atual barreira divisória imposta por Israel.

    O líder palestino, Mahmoud Abbas, expressou seu rechaço ao projeto ao afirmar que os palestinos insistem em que seu Estado tenha as fronteiras de 1967 reconhecidas, assim como a capital em Jerusalém.

    Em 1º de fevereiro, a Liga Árabe recusou o "Acordo do Século" de Trump, qualificando-o como injusto, e instou a comunidade internacional a se opor às tentativas dos Estados Unidos de implementar o plano.

    Durante a reunião da Liga Árabe, Abbas declarou que a Palestina romperia todas as relações com Estados Unidos e Israel.

    Mais:

    Kremlin: 'Acordo do Século' dos EUA para Israel e Palestina contradiz várias resoluções da ONU
    O que é o plano de Trump para Israel e Palestina e o que o Brasil achou disso?
    'Delirante': Irã critica plano de paz de Trump para Israel e Palestina e sugere referendo
    Tags:
    Donald Trump, Israel, Jerusalem, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar