20:56 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 80
    Nos siga no

    Uma enfermeira indiana que trabalha na Arábia Saudita teve teste positivo do coronavírus que já infectou centenas de pessoas na China, anunciou a chanceleria da Índia na quinta-feira (23).

    A mídia indiana informa que a enfermeira poderia ter contraído o vírus enquanto tratava de um colega das Filipinas que estava infectado.

    O chanceler da Índia, V. Muraleedharan, confirmou à agência de notícias AFP que este é o mesmo vírus respiratório que já provocou a morte de 17 pessoas na China, tendo infectado mais de 570 pessoas, segundo o portal Medical Xpress.

    Atualização do @CGIJeddah: Cerca de 100 enfermeiras indianas, principalmente de Kerala, que trabalham no hospital de Al-Hayat foram testadas e nenhuma, exceto uma enfermeira, foi confirmada como infectada com o coronavírus. A enfermeira afetada está sendo tratada no Aseer National Hospital e está recuperando bem.

    Falei com @CGIJeddah sobre as enfermeiras indianas de quarentena no Hospital de Al-Hayat, Khamis Mushait, Arábia Saudita devido à ameaça do coronavírus.

    Eles estão em contato com a gestão do hospital e a chancelaria saudita. Pedi ao nosso Consulado para prestar todo o apoio possível.

    O vírus já foi registrado no Japão, Hong Kong, Macau, Coreia do Sul, Taiwan, Tailândia, Vietnã, Singapura e nos EUA.

    Os pacientes com sintomas têm febre e dificuldade em respirar. As radiografias de tórax dos infetados mostram lesões invasivas nos pulmões.

    Até agora, as autoridades da China confirmaram 633 casos, com 17 mortos e 95 pacientes em estado crítico.

    Mais:

    Pequim confirma cancelamento das celebrações do Ano Novo devido a coronavírus
    Vietnã confirma 2 casos de cidadãos chineses infectados pelo coronavírus em seu território
    Cientistas descobrem origem do coronavírus que já infectou mais de 600 pessoas
    Tags:
    China, contaminação, vírus, Arábia Saudita, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar