13:32 04 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    101122
    Nos siga no

    A agência de notícias síria SANA reportou que os combates na província de Idlib ainda estão em curso.

    Os militares russos noticiaram que as forças governamentais sírias se retiraram, nesta quarta-feira (22), da zona de trégua de Idlib, em função de ataques dos militantes.

    "Às 7h00 [horário local], os militantes conseguiram romper as linhas de defesa do governo sírio, em uma profundidade de 1,2 quilômetros e em cerca de 3,5 quilômetros de extensão. Os povoados de Huayn El Shaaf e Samka foram ocupados", informou o centro russo de reconciliação da Síria.

    Dados fornecidos pelas Forças Armadas russas apontam que os ataque vitimaram até 50 combatentes, e mais de 90 soldados teriam ficaram feridos como consequência dos ataques.

    "Durante os ataques de grupos militantes ilegais contra forças do Exército sírio, foram eliminados cerca de 50 combatentes e 90 ficaram feridos. As perdas das forças governamentais sírias são de 40 militares mortos e cerca de 80 feridos", informou o centro de reconciliação.

    "O ataque foi precedido por tiroteio massivo com o uso de armas caseiras [lança-morteiros artesanais que disparam botijões de gás], sistemas múltiplos de foguetes e drones artesanais. Como resultado do ataque, os soldados das forças sírias foram forçados a deixar suas posições e seguir para sul", relatou a organização russa.

    Além do incidente em Idlib, os militares sírios teriam repelido um ataque em Aleppo, que teria deixado dez soldados feridos.

    De acordo com o informe, "na noite de 22 de janeiro, cerca de 200 militantes do grupo Partido Islâmico do Turquestão [organização proibida na Rússia], com auxílio de duas picapes, um tanque, dois veículos de combate de infantaria e dois carros adaptados para combate, chamados 'picape da jihad', atacaram posições do governo sírio no sudeste da zona de trégua de Idlib".

    A SANA também informou que, nesta quinta-feira (23), carros bomba e artilharia pesada foram utilizados contra posições do Exército governamental sírio na província.

    A província de Idlib é o ultimo território ocupado por rebeldes na Síria. Nas últimas semanas, milhares de pessoas deixaram o território em função da violência.

    Mais:

    Ocupar um país sem sua autorização não é diferente do terrorismo, diz Bashar Assad
    Órgão de controle de armas químicas manipulou informações sobre ataque na Síria, revela delator
    Rússia lamenta que EUA não mudam posição sobre sua 'presença ilegítima' na Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar