15:14 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8500
    Nos siga no

    O país do Oriente Médio está insatisfeito com o cumprimento dos contratos militares por parte dos EUA, e está aberto à possibilidade de fornecer petróleo em troca dos sistemas de defesa antiaérea.

    O Iraque planeja enviar comissões à Rússia, China e Ucrânia para comprar sistemas avançados de defesa antiaérea, relata o diário Al Sabah.

    "As delegações planejam visitar a Rússia, China e Ucrânia para selar a entrega de sistemas modernos para proteger o espaço aéreo do Iraque", disse à fonte o deputado iraquiano Badr Ziyadi, membro do comitê parlamentar de segurança e defesa.

    O legislador disse que o Parlamento e o Executivo estão atualmente formando uma delegação conjunta, embora não tenha especificado para quando é que a visita estava agendada.

    A fonte assegurou que outro dos objetivos da delegação é adquirir câmeras termográficas para detectar terroristas na fronteira.

    Ziyadi salientou que alguns países ofereceram ao Iraque sistemas antiaéreos em troca de petróleo, o que evita "possíveis subornos".

    O deputado salientou que o Iraque cometeu um erro ao confiar nos Estados Unidos para lhe fornecer armas avançadas.

    "Somas colossais foram gastas em contratos com os Estados Unidos, mas não foram cumpridos", disse Ziyadi.

    Nos últimos anos, a Rússia entregou ao Iraque lançadores de mísseis termobáricos TOS-1A, helicópteros de combate Mi-35 e Mi-28, caças Su-25, tanques T-90 e sistemas móveis de artilharia antiaérea Pantsir-S1.

    Mais:

    Marinha da China recebe 1º destróier da classe 055 equipado com novos sistemas de defesa (FOTOS)
    Defesa da Rússia revela lugar da implantação do 1º sistema de mísseis antiaéreos S-350 Vityaz
    EUA podem sancionar Iraque pelo seu interesse nos sistemas de defesa russos S-400
    Tags:
    sistema de defesa antiaéreo, sistema de defesa aérea, sistema de defesa, Ucrânia, China, Rússia, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar