04:03 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10163
    Nos siga no

    Já são mais de 100 as mortes confirmadas após um ataque de grandes proporções atribuído aos houthis ocorrido no Iêmen no último sábado.

    O bombardeio, envolvendo drones e mísseis, atingiu uma mesquita localizada em um campo militar na província central de Marib, a cerca de 170 quilômetros da capital do país, Sanaa. Segundo fontes ouvidas pela AFP, a ação teria sido realizada durante as orações noturnas no local. 

    A informação sobre o número de vítimas foi publicada no Twitter oficial do Ministério das Relações Exteriores do Iêmen. Se confirmado esse balanço, esse será um dos ataques mais sangrentos desde o início do conflito civil que vem devastando o país desde 2014.

    ​Condenamos nos termos mais fortes o ataque terrorista de uma milícia houthi contra uma mesquita no campo da Quarta Brigada, uma proteção presidencial na província de Marib, que resultou na morte de mais de 100 pessoas e dezenas de membros feridos da brigada e de algumas outras unidades durante a oração.

    Ainda de acordo com a Agence France-Presse, um porta-voz do exército disse que as vítimas incluiriam tanto militares quanto civis e que os houthis iriam sofrer uma retaliação cruel.

    Mais cedo, o presidente iemenita, Abd Rabbuh Mansur Hadi, descreveu o ataque em Marib como uma "agressão flagrante" por parte dos houthis, que, segundo ele, não estariam prontos para um processo de pacificação. Hadi vive há anos em exílio, na Arábia Saudita, país que, a pedido dele, realiza ataques contra os houthis no Iêmen desde 2015, liderando uma coalizão formada por outros países árabes.

    Mais:

    Armas dos EUA estariam sendo transferidas à coalizão árabe no Iêmen (FOTOS, VÍDEO)
    Rebeldes do Iêmen teriam sequestrado trabalhadores da ONU
    Houthis derrubam 2 aeronaves no espaço aéreo do Iêmen em 24 horas
    Tags:
    Abd Rabbuh Mansur Hadi, AFP, vítimas, mortes, drones, mísseis, mortos, ataque, Marib, Arábia Saudita, Iêmen, houthis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar