17:21 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6166
    Nos siga no

    Ancara e o Governo do Acordo Nacional, apoiado pela OTAN, assinaram anteriormente um acordo para o envio de tropas turcas para a Líbia.

    A Turquia salientou, no entanto, que o envio de tropas só irá acontecer se o exército liderado pelo marechal Khalifa Haftar continuar com a sua ofensiva.

    Durante o seu discurso na Reunião de Avaliação Anual de 2019, realizada no Centro Cultural e de Conferências de Bestepe em Ancara, presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que o país enviará tropas para a Líbia na sequência de um acordo assinado com o Governo do Acordo Nacional. Erdogan acrescentou que o seu país utilizará meios tanto militares quanto diplomáticos para assegurar a "estabilidade" na Líbia.

    As duas principais partes do conflito interno da Líbia, o Governo do Acordo Nacional (GNA) apoiado pela OTAN, que tem sob o seu controle o Leste do país, e o Exército Nacional Líbio (LNA) liderado pelo marechal Khalifa Haftar, não conseguiram chegar a um consenso sobre o cessar-fogo durante as negociações que tiveram lugar nesta segunda-feira (13) em Moscou.

    Soldados do Exército Nacional da Líbia (LNA) comandado pelo Khalifa Haftar (foto de arquivo)
    © AFP 2020 / Abdullah DOMA
    Soldados do Exército Nacional da Líbia (LNA) comandado pelo Khalifa Haftar (foto de arquivo)

    A próxima tentativa de reconciliar as partes beligerantes deverá acontecer na capital alemã, Berlim, em 19 de janeiro, onde a Alemanha, França, Turquia, Rússia, EUA, Reino Unido, China e Itália irão tentar mediar um novo acordo de cessar-fogo.

    O presidente turco salientou também que Ancara vai começar este ano atividades de prospeção e exploração de reservas de gás na região do Mediterrâneo Oriental, em conformidade com o acordo alcançado com Governo do Acordo Nacional, e que a embarcação Oruc Reis já iniciou estudos sísmicos, aponta France24.

    "Após assinar um acordo marítimo e de segurança com a Líbia, não é legalmente possível realizar as nossas atividades de perfuração e exploração [de gás] ou de construção de um gasoduto sem a aprovação dos dois países", disse Erdogan.

    O parlamento líbio, que apoia o Exército Nacional Líbio, condenou o convênio de cooperação militar entre o Governo do Acordo Nacional e Turquia, votando por unanimidade para romper todos os laços com Ancara.

    Mais:

    Sarraj se diz pronto para confrontos, mas pede diálogo para resolver crise líbia
    Lavrov: reunião em Moscou progrediu, mas fim do conflito na Líbia ainda não foi alcançado
    ONU diz esperar que diálogo em Moscou possa ser caminho para acordo de paz na Líbia
    Tags:
    EUA, China, Rússia, Alemanha, mar Mediterrâneo, gasoduto, OTAN, conflito armado, tropas turcas, Líbia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar