02:17 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    6155
    Nos siga no

    Após encontro entre lideranças líbias não resultar em armistício em Moscou, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou "dar uma lição" a Khalifa Haftar caso esse não cesse ataques contra o GAN.

    "Se os ataques do golpista Haftar continuarem contra o povo e o governo legítimo da Líbia, nós nunca nos reteremos de lhe [Khalifa Haftar] dar a lição que ele merece", declarou Erdogan diante de parlamentares turcos nesta terça-feira (14).

    A medida seria uma resposta a possíveis futuros ataques do Exército Nacional Líbio (ENL), liderado por Khalifa Haftar, contra o Governo do Acordo Nacional (GAN), baseado em Trípoli, capital da Líbia.

    Ainda de acordo com a agência Reuters, Erdogan disse que Haftar "saiu correndo" após não assinar um armistício proposto pela Rússia e Turquia em um encontro multilateral realizado ontem (13), na capital russa, Moscou.

    O encontro contou com a presença do primeiro-ministro Fayez al-Sarraj, chefe do GAN, o qual é reconhecido pela ONU como governo legítimo da Líbia.

    Também durante sua fala, Erdogan ressaltou ligações históricas entre a Turquia e a Líbia.

    O presidente turco acredita que Haftar teria pleno controle sob toda a Líbia "caso Ancara não intervisse no conflito líbio".

    Crise na Líbia

    Desde a queda do ex-presidente líbio Muammar Kadhafi em 2011, a Líbia tem sido palco de disputas armadas pelo poder no país.

    Atualmente, as forças de Haftar mantêm sobre controle grande parte da Líbia, enquanto o GAN tem tido seu poder limitado ao noroeste líbio e à capital Trípoli.

    Mais:

    Perto da Europa: Daesh está voltando e fincando raízes na Líbia, diz rei da Jordânia
    Lavrov: reunião em Moscou progrediu, mas fim do conflito na Líbia ainda não foi alcançado
    Arábia Saudita condena envio de tropas turcas para Líbia
    Tags:
    Trípoli, crise, conflito, Moscou, Rússia, Turquia, Recep Tayyip Erdogan, Khalifa Haftar, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar