12:07 28 Março 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3110
    Nos siga no

    Khalifa Haftar, líder do Exército Nacional Líbio (LNA, na sigla em inglês), ainda não assinou um armistício com o Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês) devido à ausência no acordo de um artigo quanto à dissolução dos agrupamentos armados que combatem ao lado do GNA, informou fonte militar líbia à Sputnik.

    Anteriormente, uma fonte líbia consultada informou que Haftar teria deixado Moscou sem assinar um armistício com o governo líbio baseado em Trípoli e liderado pelo primeiro-ministro Fayez al-Sarraj.

    O ministro das Relações Exteriores do GNA, Muhammed Tahe Siala, relatou que sua delegação assinou os termos do armistício e logo depois partiu para Istambul.

    "O marechal Khalifa Haftar, comandante do Exército Nacional Líbio, deixou Moscou em direção a Benghazi. Ele não assinará um acordo se não forem definidos prazos para terminar e dissolver as formações militares", afirma a fonte.

    A mesma fonte observou que a questão das formações militares representa o maior ponto de desentendimento entre as partes, ao passo que a maioria das restantes questões foram acordadas.

    O canal Al-Arabya divulgou, citando fontes, que Haftar recusou a "presença ou mediação turca".

    Após o a morte do líbio Muammar Kadhafi em 2011, o país está passando por um intenso período de incerteza política com o surgimento de diversos grupos armados rivalizando pelo poder. Atualmente, as forças do LNA controlam o leste do país, enquanto o GNA se limita a governar Trípoli, capital do país africano.

    Nesta segunda-feira (13), ambos os líderes líbios se encontram em Moscou para negociar os termos de um armistício que coloque fim a escalada de violência na Líbia.

    Mais:

    Reunião de líderes da Líbia em Moscou deve dar 'mais resultados' do que na ONU, diz analista
    Líbia de Haftar pede ajuda militar ao Egito
    Sarraj se diz pronto para confrontos, mas pede diálogo para resolver crise líbia
    Tags:
    Khalifa Haftar, Moscou, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar