13:41 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    826
    Nos siga no

    O grupo terrorista Daesh (organização proibida na Rússia e em outros países) se alegrou com o recente assassinato do general iraniano Qassem Soleimani, que ganhou destaque ao aconselhar as forças que combatiam os extremistas.

    Em seus primeiros comentários desde o assassinato de Soleimani, o grupo disse que sua morte "agradou o coração dos seguidores", segundo publicou o Daily Mail.

    Embora os Estados Unidos e o Irã evitassem a todo custo trabalhar juntos diretamente, eles estavam do mesmo lado na luta contra o Daesh. Nenhum país quer que os extremistas islâmicos se fortaleçam novamente.

    Mas enquanto os diferentes atores no Iraque lutam para melhorar sua posição, o Daesh pode encontrar uma oportunidade.

    Existem milhares de combatentes espalhados nas células escondidas do grupo, e ataques no Iraque e na Síria foram premiados nos últimos meses.

    Soleimani, chefe das Forças Quds do Irã, foi um dos principais comandantes no campo, liderando a luta contra o Daesh. Ele enviou milhares de combatentes ao Iraque para enfrentar os extremistas e também liderou milícias xiitas iraquianas.

    Um comandante sênior da milícia iraquiana foi morto junto com Soleimani no ataque de um drone americano na semana passada.

    Militantes ao lado de quadro com o rosto do general iraniano Qasem Soleimani durante seu funeral
    © AFP 2019 / AHMAD AL-RUBAYE
    Militantes ao lado de quadro com o rosto do general iraniano Qasem Soleimani durante seu funeral

    Em seu editorial, o Daesh disse que seus membros tentaram por anos matar os dois comandantes, e agora "Deus trouxe seu fim às mãos de seus aliados". Os dois homens "foram longe demais no derramamento de sangue de muçulmanos no Iraque e na Síria", acrescentou.

    Adil Abdul-Mahdi, o primeiro-ministro interino do Iraque, pediu a Washington que desenvolvesse um plano para retirar as mais de 5.000 tropas dos EUA estacionadas em seu país, em resposta ao assassinato de Soleimani. Mas o Departamento de Estado dos EUA rejeitou o pedido nesta sexta-feira.

    Mais:

    Pentágono recomeça luta contra Daesh para justificar ocupação da Síria, diz ex-embaixador britânico
    Daesh reivindica autoria de ataque terrorista em Londres
    Militares russos entram pela 1ª vez na antiga 'capital' do Daesh
    Tags:
    assassinato, ataque, Qassem Soleimani, terrorismo, Daesh, Síria, Estados Unidos, Irã, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar