17:10 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    17153
    Nos siga no

    Na mídia árabe se debate ativamente a teoria de que os ataques às bases da coalizão internacional foram acordados previamente com Washington, por esse motivo os soldados teriam podido se proteger e sair ilesos.

    General Majed al Qaisi, especialista militar em espionagem e grupos terroristas, comentou em entrevista à Sputnik Árabe que o ataque iraniano foi uma resposta direta e adequada ao assassinato do general iraniano Qassem Soleimani.

    "O ataque aos norte-americanos foi realizado no Iraque porque o general iraniano também foi morto lá. Não temos motivos para afirmar que entre Washington e Teerã tenha sido acordado o horário do ataque às bases no Iraque", argumenta o general.

    Além disso, al Qaisi analisa que "Teerã interpretou o assassinato de seu general como uma agressão direta, à qual era necessário dar uma resposta simétrica".

    No entanto, o analista político Abdel Qader al Jamili apresentou à Sputnik uma visão diferente quanto ao ocorrido:

    "É evidente que a operação realizada com mísseis foi calculada por ambos os lados. O objetivo principal foi manter a face do governo iraniano. Tudo se tornou claro depois da troca de mensagens entre os EUA e o Irã através do embaixador suíço, que representa os interesses norte-americanos no Irã [...] Esta versão é confirmada pela reação do lado norte-americano, que foi extremamente calma."

    Reação dos manifestantes iraquianos

    Anteriormente, manifestantes iraquianos demonstravam seu descontentamento pelo enfrentamento entre o Irã e os Estados Unidos em território iraquiano, exigindo o fim imediato do desrespeito pela soberania do país árabe.

    Em resposta ao aumento de tensões entre estes países, foram organizadas grandes manifestações em Bagdá com slogans como: "Nós não somos seu campo de batalha, lutem e ajustem contas em outro lugar!"

    Manifestações massivas estão programadas para 10 de janeiro para exigir a dissolução do Parlamento iraquiano e o fim da presença de forças estrangeiras no país.

    Mais:

    Acordo nuclear com Irã morreu porque Europa não o salvou, diz deputado alemão
    Guarda Revolucionária do Irã alerta para 'vingança mais severa' em breve
    Menos sanções, mais negociações: China pede que EUA e Irã resolvam crise com diálogo
    Tags:
    Qassem Soleimani, coalizão internacional, ataque, Iraque, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar