08:01 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7472
    Nos siga no

    A aeronave Boeing 737-800 ucraniana que se acidentou em Teerã pegou fogo antes de cair no chão, de acordo com um relatório da Organização da Aviação Civil do Irã.

    "O avião pegou fogo no ar. De acordo com testemunhas, o fogo era visível no avião e se espalhou ao longo de sua fuselagem", indica o documento.

    Segundo a investigação preliminar da Organização da Aviação Civil iraniana, a trajetória de voo do avião indica que após surgirem os problemas técnicos, a tripulação redirecionou o avião para o aeroporto, embora os pilotos não tenham relatado o surgimento de uma situação de emergência a bordo e nem tenham solicitado assistência.

    A aeronave Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines, que voava para Kiev, caiu na quarta-feira (8) pouco depois de levantar voo do Aeroporto Internacional Imam Khomeini, em Teerã (Irã), matando todas as 176 pessoas a bordo. O avião deixou de comunicar dois minutos após a decolagem.

    A agência Bloomberg informou que um grupo de investigação ucraniano chegou a Teerã na quinta-feira (9) para averiguar a queda do avião.

    A mídia citou investigadores iranianos que afirmaram que o avião desapareceu do radar a uma altitude de cerca de 2.500 metros.

    Avião Boeing 737-800 cai após decolagem de Teerã, matando todas as 176 pessoas a bordo, 8 de janeiro de 2020
    © Sputnik / Mazyar Asadi
    Avião Boeing 737-800 cai após decolagem de Teerã, matando todas as 176 pessoas a bordo, 8 de janeiro de 2020

    Não há dados que indiquem que o episódio esteja ligado ao cenário de tensão geopolítica entre Estados Unidos e Irã no Oriente Médio.

    Mais:

    Quase 200 vítimas: avião ucraniano cai no Irã
    Imagens da queda do Boeing 737 no Irã são divulgadas (VÍDEOS)
    Avião ucraniano com cerca de 180 pessoas cai no Irã; ninguém sobreviveu
    Tags:
    Boeing 737-800, Ucrânia, Boeing, acidente aéreo, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar