07:39 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    231147
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou nesta quarta-feira (8) que Rússia e Turquia classificam o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani como uma medida ilegal dos EUA.

    Em 3 de janeiro, Soleimani foi morto em um ataque de drone dos Estados Unidos no Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque. Washington afirma que o general iraniano foi morto porque planejava uma ação terrorista contra os Estados Unidos. Já Teerã nega a acusação e considera o assassinato um ato de terrorismo.

    Como represália, o Irã atacou com mísseis a base aérea de Ain Al-Asad, no oeste do Iraque, onde tropas dos EUA estão estacionadas.

    De acordo com Lavrov, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o seu homólogo da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, discutiram o assassinato de Soleimani. 

    "[Os presidentes] discutiram a situação na região do golfo Pérsico, que se desenvolveu como resultado de ações ilegais e altamente arriscadas dos EUA no território do Iraque contra cidadãos iranianos, ou seja, o comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, Soleimani", disse Lavrov.

    O chanceler russo acrescentou que os dois presidentes concordaram que todos os assuntos na região do golfo Pérsico precisam ser resolvidos apenas por métodos pacíficos e em total conformidade com o direito internacional.

    Putin está em Istambul, na Turquia, nesta quarta-feira para a inauguração do gasoduto TurkStream (Corrente Turca).

    Mais:

    Irã prepara '13 cenários de vingança' aos EUA pelo assassinato de Soleimani
    Irã responderá 'proporcionalmente' contra os EUA pelo assassinato de Soleimani, diz chanceler
    Pompeo: Soleimani não estava em Bagdá em uma missão diplomática
    Londres classifica assassinato de Soleimani como 'ato de autodefesa' dos Estados Unidos
    Tags:
    Sergei Lavrov, Irã, Iraque, Turquia, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar