07:32 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    22543
    Nos siga no

    O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC) ameaçou dar uma resposta ao "Grande Satã e regime sanguinário" dos EUA de forma "dolorosa e esmagadora", advertindo a Casa Branca contra qualquer tipo de provocação.

    "Advertimos o Grande Satã, o regime sanguinário e arrogante dos EUA que qualquer nova ação ou mais movimentos e agressões [contra o Irã] trará respostas dolorosas e esmagadoras", declarou o IRGC, conforme cita a agência de notícias Tasnim.

    A declaração ocorreu depois de duas bases aéreas da coalizão internacional em Arbil e Ain Al-Asad, no Iraque, sofrerem ataques com mísseis iranianos, em retaliação ao assassinato do general Qassem Soleimani durante ataque aéreo dos EUA.

    "Nós não consideramos de qualquer maneira que o regime sionista [de Israel] esteja separado do regime criminoso nestes crimes", acrescentou.

    O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, afirmou que Teerã não procura uma guerra e está apenas se defendendo da agressão sofrida.

    Míssil iraniano Shahab-3 é lançado durante manobras militares na cidade de Qom, no Irã (foto de arquivo)
    © AP Photo / Ruhollah Vahdati
    Míssil iraniano Shahab-3 é lançado durante manobras militares na cidade de Qom, no Irã (foto de arquivo)

    O Pentágono informou que estava ciente dos ataques, enquanto que o Departamento de Defesa norte-americano afirmou que tomaria todas as medidas para garantir a segurança das tropas norte-americanas e seus aliados.

    Por sua vez, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que estava "tudo bem" e que faria uma declaração sobre a situação.

    Mais:

    Irã prepara '13 cenários de vingança' aos EUA pelo assassinato de Soleimani
    Irã responderá 'proporcionalmente' contra os EUA pelo assassinato de Soleimani, diz chanceler
    Pentágono contradiz Trump sobre ataques a áreas culturais do Irã
    Tags:
    mísseis, ataque, ameaça, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar