08:58 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    140
    Nos siga no

    O acordo nuclear do Irã com as potências mundiais não foi dissolvido, apesar da decisão de Teerã de abandonar os limites do enriquecimento de urânio exigidos pelo pacto, informou a agência de notícias estatal IRNA, citando um oficial persa nesta terça-feira.

    O Irã disse no domingo que está dando um passo atrás em relação a seus compromissos, embora também tenha dito que continuaria a cooperar com o órgão de controle nuclear da ONU.

    Seu anúncio coincidiu com uma grande escalada de tensões com Washington após o assassinato pelos EUA do comandante militar iraniano Qassem Soleimani em um ataque de drones na sexta-feira em Bagdá, no Iraque.

    O Irã, que afirma que seu programa nuclear é para fins civis, já violou muitas das restrições do pacto em resposta à retirada de Washington do acordo em 2018 e à reimposição de sanções contra Teerã que afetaram a economia do país.

    "O acordo nuclear ainda não está morto", comentou o vice-ministro de Relações Exteriores Abbas Araqchi, que também é um negociador nuclear sênior.
    Em junho de 2015, um conjunto de países aprovou, na cidade suíça de Lausanne, o Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês), que regula o programa nuclear do Irã.
    © AP Photo / Brendan Smialowski
    Em junho de 2015, um conjunto de países aprovou, na cidade suíça de Lausanne, o Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês), que regula o programa nuclear do Irã.

    "Estamos prontos para voltar ao pleno cumprimento do acordo, dependendo do fim das sanções e dos benefícios econômicos do acordo", acrescentou.

    Líderes europeus no acordo podem iniciar um processo de resolução de disputas nesta semana que pode levar a renovadas sanções da ONU a Teerã, declararam diplomatas europeus na segunda-feira.

    O Irã criticou o Reino Unido, França e Alemanha por não salvar o pacto, protegendo a economia de Teerã das sanções dos EUA.

    Mais:

    Crise entre EUA e Irã não deve impactar preço dos combustíveis no Brasil, diz especialista
    Votação unânime do Parlamento do Irã designa Pentágono e subsidiárias como terroristas
    Pentágono contradiz Trump sobre ataques a áreas culturais do Irã
    Tags:
    França, Reino Unido, Alemanha, sanções, diplomacia, Abbas Araqchi, Qassem Soleimani, energia nuclear, armas nucleares, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Acordo Nuclear Iraniano, acordo nuclear, Iraque, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar