16:13 19 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    399212
    Nos siga no

    Um ex-comandante da Guarda Revolucionária do Irã disse neste domingo que os planos de retaliação de Teerã pela morte do general Qassem Soleimani incluiriam um ataque à cidade israelense de Haifa, além de centros militares.

    Em discurso televisionado para apoiadores em luto devido ao assassinato do oficial pelos Estados Unidos, Mohsen Rezaei, hoje militar sênior da Guarda, prometeu uma vingança dura contra os responsáveis por esse ato, que desencadeou uma nova crise no Oriente Médio nos últimos dias.

    "A vingança do Irã contra os Estados Unidos pelo assassinato de Soleimani será severa [...] Haifa e centros militares israelenses serão incluídos na retaliação", disse Rezaei, citado pela Reuters.

    Qassem Soleimani, chefe da Força Quds de elite do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, foi assassinado em um ataque aéreo realizado pelos EUA, em Bagdá, na última sexta-feira (3). A ação foi considerada uma agressão grave por parte das autoridades iranianas, que prometeram se vingar. 

    ​Ontem, várias agitações, envolvendo até lançamentos de foguetes, foram verificadas em diferentes partes do Iraque, nos arredores de instalações utilizadas pelos norte-americanos, mas, até o momento, não é possível afirmar quem estaria por trás desses atos.

    Hoje, temendo as consequências desse novo ciclo de tensões inaugurado pelo governo do presidente Donald Trump na região, o parlamento iraquiano aprovou uma resolução que poderá resultar em um pedido formal para retirada das tropas dos Estados Unidos do país.

    Mais:

    Coalizão liderada pelos EUA suspende treinamentos e apoio às tropas do Iraque
    Parlamento do Iraque aprova resolução pedindo retirada de tropas dos EUA
    Major-general do Irã: vingança estratégica colocará fim à presença dos EUA na região
    Tags:
    retaliação, Haifa, Bagdá, Iraque, Teerã, Israel, Irã, Qassem Soleimani
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar